O Exame da OAB acabou!

0
Comentários
0
likes
0
Coment.
0
likes
^4A2040FFAC535BDFEB8F9DD0AB5430C65D664E252183505171^pimgpsh_fullsize_distr

Para muitos essa afirmação termina em exclamação, para outros em interrogação.

Quando julgado o Recurso Extraordinário 603.583/RS, que discutiu a constitucionalidade da exigência de aprovação no Exame de Ordem como requisito para a atuação como advogado, muitos deram este debate acabado, por força da  decisão favorável sobre a obrigatoriedade de tal exame, alias, ouvi um colega dizendo: “Pronto, agora o exame de ordem não deixa de existir”.

Entretanto, o tema que parecia definido, muito provavelmente será “ressuscitado”, com a eleição de Eduardo Cunha (PMDB) para presidir a Câmara dos Deputados no Próximo Biênio (2015/2016). Como foi amplamente reportado, Cunha venceu, com 267 votos dos 513 deputados e derrotou os outros três concorrentes: o candidato do governo, Arlindo Chinaglia (PT-SP), que teve 136 votos, Júlio Delgado (PSB-MG), que teve 100 votos, e Chico Alencar (PSOL-RJ), que teve 8 votos. Foram registrados dois votos em branco. Cunha é conhecido como um dos críticos ao Governo e à Ordem dos Advogados do Brasil.

O Deputado peemedebista, eleito pelo Rio de Janeiro, é um dos grandes defensores do fim do Exame de Ordem, considerando-o “nefasto e corrupto”. Para ele, a exigência do Exame de Ordem ao bacharel em direito como requisito obrigatório para inscrição nos quadros da advocacia é um absurdo. Em seu portal afirma:

Não desistirei nunca de lutar contra o nefasto e corrupto Exame da OAB

Estive com Ministro da Educação, Aloísio Mercadante, tratando, entre outros temas, do fim do absurdo, nefasto e corrupto exame da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB). Relatei a ele todos os absurdos desse Exame e senti que a sua posição poderá ser favorável à tese de quem quer acabar com esse absurdo. No ano passado, quando chamado para audiência pública, o Ministério enviou um representante que defendeu o exame e reclamei disso. Só que esse representante foi demitido e o substituto não pensa igual a ele.

Senti realmente a disposição do ministério de ajudar a acabar com esse exame. Relatei ao Ministro que tenho emenda inserida na MP dos médicos e que levarei à votação nominal. Acho que temos reais chances de vencermos.

Estranho esse movimento da OAB visando a discutir reforma política. Por que não discutem eleições diretas para a sua eleição interna?

Aquilo é um cartório corporativista que tenta se passar por paladino da moralidade e da democracia, mas, na verdade, é um antro de corrupção com esse exame. (…)”. Leia na íntegra. 

E não é apenas em seu portal que critica o Exame de Ordem e a OAB, Cunha faz duras criticas em suas contas das redes sociais (Facebook e Twitter). A propósito em sua página do Facebook consta uma imagem de campanha em que se opõe ao Exame da OAB com a #pelofimdoexamedaoab.

E seu discurso não se esvai em palavras, existe um Projeto de Lei, 2.154 de 2011. Tal projeto tinha como proposta a revogação do inciso IV e o § 1º do artigo 8º do Estatuto da OAB (Lei 8.906/1994). Em outras palavras, o projeto quer revogar o dispositivo legal que autoriza o exame de ordem sob a argumentação de que a OAB não tem competência para avaliar os alunos, que esta instituição enriquecesse às custas dos bacharéis que prestam diversas vezes o exame e que o mercado de trabalho selecionaria os melhores advogados. Sobre os índices de aprovações no Exame de ordem temos um artigo publicado. Leia aqui.

Entretanto, tal projeto de lei foi arquivado um dia antes de sua eleição como Presidente da Câmara, em 31 de janeiro de 2015, nos termos do artigo 105 do Regimento Interno deste órgão.

Contudo, antes mesmo que o sorriso daqueles que defendem o Exame de Ordem brote, é preciso dizer que o parágrafo único do artigo supracitado dispõe:

“Parágrafo único. A proposição poderá ser desarquivada mediante requerimento do Autor, ou Autores, dentro dos primeiros cento e oitenta dias da primeira sessão legislativa ordinária da legislatura subsequente, retomando a tramitação desde o estágio em que se encontrava.”

Se alguém tinha dúvida do desarquivamento, podem ficar tranquilos; ele foi desarquivado no ultimo dia 4 de fevereiro. Veja o requerimento de desarquivamento.

Agora, a pergunta que surge é: em que a presidência da Câmara pode influir para que um projeto de lei, como o 2.154/2011, possa ser aprovado?

Neste momento a inteligência dos artigos 17, II, e 24 do mesmo Regimento Interno, dão ao presidente da Câmara dos Deputados poderes para poder incluir na pauta projetos de lei, como o que acabamos de mencionar. Não tenho dúvida de que o deputado fará todo esforço para que isso ocorra.

Caso o projeto seja aprovado na Câmara, deverá ser encaminhado ao Senado. Nesta casa legislativa, embora o Presidente eleito seja do mesmo partido que o presidente da Câmara, o peemedebista Renan Calheiros contou com o apoio do governo. Calheiros não tem posicionamento claro sobre a obrigatoriedade do Exame de Ordem. E ainda assim, caso seja aprovado tal projeto de lei deverá ser encaminhado para a sanção ou veto presidencial.

Temos certeza de que a OAB e tantos outros organismos oferecerão resistência sobre esse tema, sabemos também que o movimento que por muitos foi subestimado, hoje tem relevância e força política e organizacional. Refiro-me ao MNBD (Movimento Nacional dos Bacharéis em Direito), que hoje, com estrutura nacional, regozija-se de ter como vice-presidente em Pernambuco, segundo seu próprio site, Rodrigo Falcão, filho do atual Presidente do STJ Francisco Falcão.

E meus alunos me perguntam: o que eu penso sobre tudo isso? Em primeiro lugar, penso que, embora não possamos desconsiderar a importância da eleição de Eduardo Cunha à presidência da Câmara, não é possível considerar a extinção do Exame de Ordem.

Penso ainda que é preciso sim uma discussão séria sobre a qualidade não só do ensino e do aprendizado, mas também dos modelos de avaliações que temos até hoje, e essa situação pode ser mais um convite para essa necessária reflexão (abro um parênteses para advertir que existem concursos na era democrática que ainda reproduzem os modelos de concursos do regime que vivemos anteriormente).

Enfim, na semana passada reportou-se, que mais da metade dos médicos foi reprovada no Exame do Cremesp, o que ventilou o debate sobre a necessidade de um Exame que avalie os médicos, como a OAB e nesta semana a Câmara elegeu o Deputado que pensa o contrário disso tudo, acreditando que devemos estimular a livre iniciativa a ponto de só se fixar no mercado quem é bom … mas talvez o Deputado não tenha observado outra lei que o liberalismo gosta muito: a lei da oferta e da procura.

Mas afinal, o Exame de Ordem acaba ou não acaba? A Afirmação inicial desse texto deve ser seguida de Exclamação ou Interrogação?

Penso que não devemos colocar uma exclamação, seja pela certeza do fim ou pela certeza da manutenção do Exame. Disso tudo é certo que essa dúvida alimentará debates de todos os níveis e interesses que certamente permeiam o espírito Republicano e Democrático de nosso país.

Contra o Exame de Ordem:

O MNBD (Movimento Nacional de Bacharéis em Direito), por meio de seu presidente Reynaldo Arantes emitiu o seguinte comunicado:

“A eleição de Eduardo Cunha significa um crescimento exponencial ao apoio pelo fim do Exame de Ordem. Antes, em 2007, tínhamos 3 Deputados que apoiavam essa luta (Jair Bolsonaro, Max Roseman e Edson Duarte), agora temos um número bem maior que encampa nossas lutas, estimo que mais da metade dos deputados e senadores.

Somos contra o Exame aplicado pela OAB, não contra o exame de avaliação dos profissionais em si. O que buscamos, é a ‘retirada deste exame das mãos’ da OAB. Apoiamos, veementemente, uma mudança para que a aplicação seja feita pelo MEC (como defende o Deputado Vicentinho) ou uma residência jurídica nos moldes de Portugal (como defende o próprio deputado Eduardo Cunha).

Por fim, enquanto não temos sucesso total em nossa luta, defendemos ainda a isenção da inscrição para o Exame, é o que defende o projeto de lei número 8.220/2014 que é coletivo, assinado por Eduardo Cunha e mais 52 deputados de 15 partidos diferentes.”

A favor do Exame:

O presidente da OAB Nacional já se pronunciou em diversas ocasiões sobre a obrigatoriedade do Exame de Ordem, bem como sua elaboração pela OAB. Já se manifestou inclusive sobre a possibilidade da isenção da taxa de inscrição, considerando um absurdo tal proposta que é encabeçada pelo Deputado Cunha.

Ao Broadcast Político do grupo Estado, o presidente da OAB, Marcus Vinícius Furtado Coêlho, criticou, já em fevereiro de 2014, duramente a proposta de Cunha.

“É no mínimo estranho que um parlamentar de um poder democrático queira fazer algo que a ditadura não fez, de tentar retaliar a Ordem, que é um poder independente. É lamentável sob todos os aspectos. O que nos deixa confortáveis que isso é algo isolado e de alguns parlamentares”.

Para Marcus Vinicius Furtado Côelho, a medida tem por objetivo acabar com o exame da entidade “de outra forma”. Quanto ao mérito da proposta, ele disse que a taxa do exame serve para custear a elaboração e aplicação das provas para pessoas que não são filiadas à entidade em 250 cidades do país, três vezes ao ano. Segundo ele, a OAB não conseguiria arcar com os custos de realização da prova apenas com o pagamento da anuidade de R$ 700 dos 1 milhão de advogados inscritos na ordem. Leia aqui.

Alguns Números:

– Estima-se que tenhamos pouco mais de 800 mil advogados inscritos nos quadros da OAB. Segundo o Conselho Federal da OAB no começo de 2014 tínhamos mais de 790 mil advogados regulamente inscritos nos quadros.

– Das mais de 1150 faculdades de Direito no país, temos cerca de 700 mil bacharelandos em direito.

– Cerca de 115 mil alunos prestam o exame de Ordem que ocorre 3 vezes ao ano.

– Estima-se que tenhamos mais de 2 milhões de bacharéis em direito (não incompatíveis com a advocacia) que não tenham aprovação no Exame de Ordem.

– Segundo o Deputado Eduardo Cunha, a OAB arrecada 75 milhões de reais com a realização do Exame de Ordem.

Duas Perguntas:

Se a OAB arrecada 75 milhões com inscrições para o Exame de Ordem, segundo o Deputado Eduardo Cunha, penso que a OAB arrecadaria bem mais com mais de 2 milhões de advogados inscritos em seus quadros.

Em uma conta rápida veríamos que a OAB arrecadaria mais de um BILHÃO de reais.

Seria mesmo um afã arrecadatório, portanto, da OAB?

E se a inscrição fosse isenta, como propõe o MNBD? Imaginem ai o que aconteceria com os cofres da OAB se os mais de 2 milhões de bacharéis resolvessem se inscrever nos 3 certamos do ano. Isso custaria aos cofres da OAB cerca de um BILHÃO E MEIO de reais.

Aos leitores, estudantes para o exame, amigos e críticos:

Como sempre, coloco-me à disposição para todas e quaisquer observações, desde as sadias quanto as irônicas e desnecessárias, que agreguem ou não ao debate.

Caso queiram mais detalhes sobre minha posição, publiquei na RT, Vol. 927 o texto: “Constitucionalidade do exame de ordem – como exigência  para atuação como advogado comentários ao RE 603.583/RS”.

 


Veja também:

Conheça as obras do autor (Clique aqui!)

LEIA TAMBÉM
COMENTE

176 respostas para “O Exame da OAB acabou!”

  1. Rosangela Rocha disse:

    Sou a favor que se acabe com o Exame da OAB, porque muitos desses que defendem a obrigatoriedade do exame nunca prestaram o exame.

  2. Edson Junior disse:

    Eu prestei, passei quando ainda estava do nono período e defendo o exame.

  3. Lucia Leal disse:

    Os alunos de medicina que não são aprovados no Cremesp, não é retirada deles a inscrição no CRM. Porque 2 pesos e 2 medidas? Situação critica, pois coloca a saúde da população em mãos de incompetentes.

    • Ana paula disse:

      Concordo, o mercado irá selecionar o profissional. Conheço muitos que exercem bem o seu ofício sem ter a OAB e outros que são péssimos profissionais e mesmo tendo OAB.
      Os médicos , engenheiros civis e outras tantos profissionais, que lidam com a VIDA é não somente com as leis. Esses podem ser medíocres em seus cursos, mas exercem suas profissões sem problemas.
      A VIDA se não for cuidadosamente amparada se vai e não há retorno. E neste caso os que ficam procuram os que representam a lei, para reconforto.
      Dois pesos para 2 medidas, entretanto a vida é mais importante é está na constituição a sua proteção.
      E qual a necessidade da OAB ter 75 bilhões ao ano em seus cofres?

  4. Gustavo disse:

    Sou a favor que tenha o Exame da OAB, que seja por uma preço de inscrição acessível ao estudante trabalhador. O Exame tem que existir para diminuir a possibilidade de profissionais ruins no mercado. Porém o valor que é cobrado pela OAB é abusivo, valores mais altos que muitos concursos públicos de carreiras.

    • Felippe disse:

      Concordo com você, e acrescendo que deveriam acrescentar uma quantidade maior de datas para a realização do exame para que, quem não conseguir passar, possa tentar novamente e não perder tanto tempo como muitos perdem.

    • Amigo, que se faça exame, porém pela faculdades e não pelo sindicato oab, pra isso existe o mec, ou vocês querem entregar a um Sindicato essa atribuições que não são deles. Respeite a nossa constituição.

  5. Carmem disse:

    Concordo com a Rosangela!!! Médicos lidam com a vida e podem exercer, nós somos o “vacuo” juridico, trabalhamos igual advogados, mas eles nos pagam pouco, ganhando muito. Fora que a é patético 220 reais o valor da inscrição, óbvio que é muito melhor reprovar bacharel do que deixar passá-los. Isso tem outro nome…

  6. Alex Fernandes Carriel disse:

    E quem estudo arduamente durante 5 anos, sem sair para os bares que rodeiam as instituições de ensino superior, baladas e curtições universitárias para se dedicar totalmente aos estudos? Aqueles que passaram na primeira etapa da OAB, antes mesmo de se formar na universidade, logo após, ficar por um mês inteiro nas férias estudando das 7h às 17h de segunda a sábado? Para tanto, abandonaram o estágio ou o emprego. Na segunda fase aumentaram a dedicação e durante todo esse tempo foram privados do prazeroso convívio familiar e de amigos. Ainda, muitos dos quais são bolsistas ProUni, saíram da debilitada rede pública, e que tiveram que se dedicar massivamente para demostrar o quanto aproveitaram muito bem cinco anos de faculdade, mesmo laborando em trabalhos de 8 horas diárias na área ou fora dela, bem como em estágios cansativos em escritório de advocacia. Acabar com tudo isso? Minha experiência, assim como de muitos colegas que foram aprovados antes de se formar demonstram, a necessidade do Exame da Ordem, bem como a sua transparência. Não paguei para passar, estudei para passar! Não temos nenhum registro em todo o país de alguém que tenha pago para passar.

    • Antonia disse:

      Alex existem vários casos de pagamento de propina para a aprovação no exame! Há duas semanas, salvo engano, saiu no noticiário. Não sou contra o exame, mas sim contra a máfia por trás dele!

  7. Alex Fernandes Carriel disse:

    E quem estudou arduamente durante 5 anos, sem sair para os bares que rodeiam as instituições de ensino superior, baladas e curtições universitárias para se dedicar totalmente aos estudos? Aqueles que passaram na primeira etapa da OAB, antes mesmo de se formarem na universidade, logo após, ficarem por um mês inteiro nas férias estudando das 7h às 17h de segunda a sábado? Para tanto, abandonaram o estágio ou o emprego. Na segunda fase aumentaram a dedicação e durante todo esse tempo foram privados do prazeroso convívio familiar e de amigos. Ainda, muitos dos quais são bolsistas ProUni, saíram da debilitada rede pública, e se dedicaram massivamente para demostrarem o quanto aproveitaram muito bem cinco anos de faculdade, mesmo laborando em trabalhos de 8 horas diárias na área ou fora dela, bem como em estágios cansativos em escritório de advocacia. Acabar com tudo isso? Minha experiência, assim como de muitos colegas, os quais foram aprovados antes de se formarem, demonstra a necessidade do Exame da Ordem, bem como a sua transparência. Não paguei para passar, estudei para passar! Não temos nenhum registro em todo o país de alguém que tenha pago para passar.

    • David disse:

      Ótima colocação, Alex!

    • Ana paula disse:

      Conheço profissionais exatamente como você cita, mas mesmo com a ordem, voltaram aos seus antigos empregos ou estão tentando com outra profissão um lugar ao sol.
      Incrível, pois eram 10 em tudo. Viviam o direito dentro da faculdade, mas ao sair o mercado os selecionaram e os deixaram de fora , entretanto os que não eram tão espetaculares e nem se importaram com a OAB, são juizes, procuradores, promotores ou funcionários de alto escalão no serviço público por concursos.
      Sim, um imenso paradoxo.

      • Anderson Bernardo disse:

        Ótima colocação, Ana Paula, não é uma prova que mostra a capacidade de alguém em ser um excelente profissional.

        • André Barbosa disse:

          Nesse sentido, faz-se mais eficaz e inteligente acabar com o curso de Direito, afinal é a vida prática que forma um profissional de sucesso…a faculdade é apenas formalidade desnecessária, segundo os que defendem o fim do exame.

    • danielly Dantas disse:

      Sou estudante de direito pela faculdade Mackenzie Rio. Não concordo com a obrigatoriedade de prestar exame da OAB para exercer a profissão de advogado. Acredito que a melhor maneira de testar a aptidão intelectual de cada formado seria as provas à nível de concurso público ou objetivamente uma pós graduação direcionada a área escolhida por cada candidato. O médico lida com vidas e após a conclusão do curso de medicina ele torna-se médico atuante em hospitais de diversas redes,sendo esta, setor público ou privado. Somente após concluir a pós graduação na área escolhida ele torna-se médico especializado. Acredito que para a área do direito esse seria o melhor caminho.

    • m.linhares disse:

      Muito bem, Alex! Voce descreveu totalmente a minha vida acadêmica. Concordo com vc plenamente… Quem concorda com o fim do exame, certamente nao teria capacidade de passar! Ja eu defendo a redução da taxa de inscrição, embora acredite que isso funcione como um meio de induzir o estudande a focar nos estudos e nao perder seu dinheiro pagando uma nova taxa.

  8. claudia disse:

    Defendo o exame da OAB bem como a obrigatoriedade de aprovação no exame do CRM para os médicos. Alguns médicos, em SP, tem um movimento contrário: brigam para que o CRM torne obrigatória a aprovação do candidato. Questionam a formação dos novos médicos e os danos que surgem em decorrência da péssima formação médica em algumas universidades. Não será a OAB que irá no movimento contrário. Com relação ao exame da OAB é simples: não passa quem não tem preparo suficiente. O exame de Ordem não é difícil coisa nenhuma! Ele é adequado ao mínimo necessário que um advogado precisa saber. Esse chororô de quem não consegue aprovação é semelhante ao termo “ganhar no tapetão”. Dedicação aos estudos resolvem esse problema. Estudou, passou na Ordem. Simples assim!

  9. Alex Fernandes Carriel, com algumas ressalvas, concordo com seu comentário.

    Todavia, sobre “não temos nenhum registro em todo o país de alguém que tenha pago para passar”, recomendo que você dê uma pesquisada na interwebs para verificar que há grande número de casos de compra de gabarito e afins. Recentemente, inclusive, alguns bacharéis perderam a carteira da oab por terem fraudado o processo.

    Isso ocorria em maior escala antes da unificação, quando os “amigos” e “amigos de amigos” das seccionais passavam com maior facilidade. E isso não sou eu quem diz, mas a história do certame.

    Abs.

  10. Respondendo a primeira pergunta do articulista. A OAB arrecada com o exame de ordem (ponto). E isso por si só, na minha opinião, já está errado.

    Quanto a arrecadação bilionária em caso de aprovação de todos os candidatos, há muito maior “lucro” com a gargalo do exame de ordem no mercado do que com qualquer anuidade.

    • André Barbosa disse:

      Um cálculo simples contrária o argumento de quem acredita que a OAB arrecada mais com o exame do que arrecadaria com a livre inscrição de todos os bacharéis. Veja que há 2 milhões de bacharéis aptos a prestar o exame, sendo que neste caso, se todos estes prestarem o certame 3 vezes por ano contribuíram com R $600,00, e isso é inferior ao valor da anuidade que gira em torno de R $900,00, Sem contar que o único gasto com a anuidade são os boletos e seu envio pelos correios, já para aplicação das provas gastasse com aluguel de espaço, provas, instituição que a aplica (FGV) etc.

  11. E só para constar. Sou favorável ao exame ;).

  12. Eduardo disse:

    Sou a favor do Exame da Ordem, o exame enobrece a categoria assim como o candidato que é aprovado. Isso é uma marca da advocacia e da sociedade brasileira.

  13. Marcio disse:

    O exame da OAB precisa acaba, essa prova e um meio de sustentar a OAB, o valor e um absurdo, pra completar apos ser aprovado é obrigado á pagar anuidade com valor altíssimo, Bom já que tem que avalia, que seja todos os curso, é não só os bacharéis em Direito, recentemente médicos recém formado foram reprovado pela cremesp, imagine esses profissionais;! lidam com vida,! os advogados defende vidas/ patrimônio, sei que em todas as áreas tem bons e maus profissionais, por esta razão e preciso reaver estes conceito com relação o exame da OAB.
    Com isso fere alguns princípios CF/88, um deles principio da isonomia ( direito iguais para todos) romper essa diferença entre os cursos, imagine caros colegas estudar 5 anos, é por causa de um exame não poder exercer a profissão, e o mesmo que jogar 5 anos de sua vida na lata de lixo, enquanto os outros curso o anulo termina é já pode trabalhar, sem precisar ser avaliado……………….

  14. vianei disse:

    Vergonha acabar com o exame.. Advogo desde 2007 e antes de passar no exame (passei na segunda tentativa) sempre fui a favor.. Quem defende sua extinção, na maioria é quem não passa, e pra isso, eu garanto que é estudar.. Acho que algumas medidas deveriam ser adotadas, como redução do custo, e mais chance de fazer só a segunda fase para quem já passou na primeira (não me recordo se já existe isso).
    Quanto ao comentário em relação aos médicos, acho que o certo não seria extinguir o exame da Ordem, e sim criar um exame para o curso de Medicina, aliás para outros cursos também.

  15. Jorge Luiz Coimbra Favacho disse:

    A primeira fase deveria ser obrigatória, na segunda fase o aluno deveria se inscrever na OAB que se encarregaria de, num prazo estipulado, avaliar a atuação prática do candidato nos órgãos afins: Defensoria, Forum, OAB, Delegacias e outros… mais ou menos nessa linha. Esse sistema é muito cruel com o candidato, passa na primeira fase e se não consegue na segunda fase e repescagem vai alimentar o sistema (mafioso) arecadatorio, de cursinhos e vários outros envolvidos na máfia.
    Abaixo o exame.

    • Antônio Delmar disse:

      Pode até existir máfia de cursinhos, mas se existe é pela falta de dedicação do acadêmico durante os cincos anos de faculdade. Se o estudante de direito, e aqui não generalizo, se dedicasse aos estudos não teria essa preocupação com Exame da Ordem e tão pouco ter que frequentar cursinhos. Defendo a manutenção do Exame. Aos que imploram pela erradicação deste importante instrumento de seleção certamente não se dedicaram aos estudos e acreditam não ter competência para obter a aprovação ou até mesmo pode ser a falta de aptidão para o exercício desta nobre profissão. A arte de advogar não é para quem quer e sim para quem nasceu destinado a isso.

  16. David Camargo disse:

    Sou a favor da manutenção do valor da inscrição e da mantença do exame. Fui aprovado no 10º semestre. Basta ter foco e estudar. Se, com o exame, centenas de profissionais ruins são lançados no mercado todos os anos, imagina sem esse filtro. Na linha defendida pelo Deputado, podemos retirar os vestibulares para universidades publicas, ora. Afinal, não é o mercado que define quem é qualificado?

  17. Acredito que o Exame deve permanecer, contudo, que seja aplicado pelo MEC. A OAB não pode prejudicar o candidato com correções absurdas e mal feitas. Desconsiderar a resposta CORRETA do candidato e lhe atribuir nota ZERO não pode ser uma opção. A justiça deve ser defendida e aplicada por aqueles que, em tese, lutam por ela. A Ordem dos Advogados do Brasil, se acha no direito de prejudicar o examinando para que, no próximo exame, ele se inscreva e PAGUE NOVAMENTE a taxa ABSURDA de R$220,00 por certame.
    Prova justa e valor de inscrição decentes é que devem pautar o exame.

  18. Rubens Aguiar disse:

    Sou bacharel e a favor da extinção do exame de ordem. Oab nos ve como concorrência futura. Cinco longos anos dedicados aos estudos para sermos avaliados pela oab?? e pelas pegadinhas em questões de provas? .
    Vamos a luta. …

  19. Benhur disse:

    A princípio vejamos: Somos os ÚNICOS em nosso país, privados de exercer a profissão, nota-se o grande interesse em cursinhos e editoras, não é somente a inscrição do tal exame que por sinal houve um acréscimo de 10% indo para R$220,00 o nível da prova é mais elevado do que provas de juízes, VEJAM o índice de reprovação, afinal de contas a OAB está acima da Constituição Federal? Os Bacharéis se transformaram em moeda de troca diante da política brasileira aonde são poucos os que nos apoiam, porém surgiu uma luz no fim do túnel, com Eduardo Cunha, são 20 anos de escravidão e arrecadação.

  20. Maylson Freitas disse:

    Eu defendo a manutenção do Exame. É um divisor, quem fez uma boa Graduação irá passar facilmente, quem não, deverá tentar outra vez. Estou no 4º período e espero passar na primeira tentativa, é uma questão de honra. É o mínimo que podemos esperar após anos de dedicação. Não entendo toda essa revolta para com o Exame da OAB. Ainda quando estava no ensino médio numa escola integral, vi meu Professor de Física sair todas as tardes correndo para chegar na faculdade. No ano da conclusão do curso passou na OAB. O cara conseguiu conciliar um trabalho estressante e em tempo integral, com a universidade e ainda assim foi aprovado. Por qual motivo? Simples: dedicação. Parem de chorar e vão estudar.

  21. O Dr. Alvaro foi extremamente correto ao grafar o que lhe afirmei.

    Só que, infelizmente, ele não teria como reproduzir mais de uma hora de conversa via fone.

    Assim, há algumas complementações que gostaria de registrar.

    A Entidade MNBD é nacional, tem presidentes e diretorias em 21 estados e representantes nos demais. Dos 21 presidentes estaduais, 10 já tem a carteira da OAB pois passaram no exame e seguem na luta. Porque?

    Porque o MNBD não é um movimento DE QUEM NÃO PASSOU NA OAB e sim, uma luta contra a reserva de mercado e a reserva de examinandos que os líderes da OAB fazem para arrecadar cerca de 80 milhões de reais por ano, sem dar satisfações a ninguém !!!

    Isto porque desde a ADI 3.026 exarada pelo STF (com votos contrários, inclusive do ex-presidente Joaquim Barbosa) a OAB NÃO É PUBLICA OU PRIVADA, é uma Entidade ÍMPAR DENTRO DO ORDENAMENTO JURÍDICO… O relator da ADI, Eros Grau foi ministro na cota dos ADVOGADOS impulsionados pelo 5º constitucional até os tribunais superiores e depois nomeado para o STF.

    Assim, a OAB é “pública” para não pagar impostos, MAS é “privada” para não prestar informações ao Tribunal de Contas da União. É “pública” para cobrar suas anuidades, mas é “privada” para contratar e não fazer concursos para seus quadros e nem fazer licitações públicas para suas obras… Ao contrário de TODAS as demais autarquias federais de corporação profissional, como CREA, CFM, etc…

    Mais, em nosso site oficial, em “Histórico de Ações”, matéria sobre retrospectiva 2013, temos documentos da própria OAB, que demonstram como a OAB manipula as correções, para reprovar MESMO QUEM TEM NOTA PARA PASSAR, de forma a obrigar o examinando a fazer nova prova e, claro, pagar nova taxa…

    Além de fazer um estelionato com sua prova, a OAB é mentirosa ao culpar as instituições de ensino. Segundo avaliação do MEC, 85% dos Cursos de Direito são aprovados e cumprem TODAS as determinações feitas.

    Assim, se as reprovações fossem de 10, 15 ou até 20% seriam lógicas e coerentes. Mas não, AS REPROVAÇÕES é que somam 80, 85% e geralmente, entre 8 a 16% SÃO APROVADOS !!!

    Quem tiver curiosidade e for de Brasília ou passar por Brasília, visite a Justiça Federal de 1º Grau, 13ª Vara Civil, onde tramita a Ação Civil Pública impetrada pela Procuradoria da República de Minas Gerais, que exige A GRATUIDADE ou O VALOR EFETIVAMENTE GASTO PARA A OAB APLICAR O EXAME. Nos autos 15055-77.2011.4.01.3803 a OAB saiu pela “tangente” e nada disse.

    Já a CESPE UnB – entidade pública – afirmou que dos R$ 200,00 pagos como taxa de inscrição pelos examinandos, a CESPE UnB RECEBIA R$ 84,00. E os demais R$ 116,00 ??? São “recursos não contabilizados” pela OAB que não presta contas a ninguém ???

    Quanto ao Projeto de Lei 8.220/14 citado pelo ilustre professor Alvaro, é uma questão de JUSTIÇA SOCIAL enquanto se busca uma alternativa para que o exame saia do (des)controle da OAB.

    Atualmente, cerca de 100 mil examinandos (110, 115…) pagam R$ 200,00 (pagavam, este último subia para R$ 220,00) para fazer o exame. São acadêmicos que investiram seus recursos em 5 anos de faculdade, a maioria pagando livros e mensalidades, (ou então vão começar a pagar o FIES…), têm de fazer cursinhos pois há temas nos exames que NÃO CONSTAM NOS CURRÍCULOS acadêmicos (caso de Jurisprudência dos Tribunais de Ética da OAB…), têm de comprar livros e NÃO PODEM TRABALHAR até passarem no exame e pegarem suas Carteiras…

    Se ao contrário dos 100 mil acadêmicos e bacharéis que fazem a prova pagarem R$ 200,00 e o custo passar para a OAB descontar das ANUIDADES QUE OS 700 (780, 800) MIL ADVOGADOS JÁ PAGAM, teremos um valor de R$ 28,57 a ser descontado de CADA ADVOGADO que já está trabalhando e pagando CERCA DE 1 MIL REAIS por ano !!!

    Isto porque, a OAB – e poucos sabem disso – é o ÚNICO CONSELHO autorizado por lei a cobrar ACIMA do teto imposto as demais conselhos profissionais, que é de R$ 500,00…

    Assim, reitero: A GRATUIDADE DA TAXA DA OAB é uma questão de JUSTIÇA SOCIAL, projeto de lei COLETIVO assinado por 53 Deputados Federais de 15 bancadas e que estará sendo apresentado no Senado Federal, com o Senador Marcelo Crivella e mais 19 Senadores como autores, sendo que os 2 projetos TEM O MESMO TEXTO LEGAL: Gratuidade da taxa da OAB…

    A OAB está horrorizada em ter que PAGAR com as ANUIDADES que já recebe para seguir aplicando o exame, os líderes estão tendo pesadelos em perder a sua “galinha de ovos de ouro” que rende uma “mega sena” a cada 4 meses, que ninguém sabe onde vai parar estas dezenas de milhões, já que ninguém PODE FISCALIZAR a poderosa OAB que é A ÚNICA A SER ÍMPAR NO ORDENAMENTO NACIONAL…

    Mais informações, fico a disposição dos colegas por meio de nosso Site Oficial do MNBD, http://www.mnbd.org e de nossa Comunidade Oficial do MNBD no Facebook que já tem mais de 4.500 membros em grupo fechado e onde têm fones e emails de contato.

    Grato por sua atenção em ler um texto tão longo quanto a matéria do Ilustre Dr. Alvaro, mas que acredito apresenta uma fundamentação mais ampla para se entender o porque o MNBD quer TIRAR ESTE ESTELIONATÁRIO EXAME DAS MÃOS DA OAB… Não temos medo de avaliação de conhecimento acadêmico adquirido… Durante 5 anos as provas são bimestrais… Lutamos apenas por ser o exame aplicado pela OAB um jogo de azar, onde milhões jogam sua vida pessoal, familiar e profissional com 85% de chances de perder…

    • André Barbosa disse:

      Proponho acabar com os exames para as carreiras públicas também, já que são provas de azar…o mercado deve escolher os melhores sempre!

      Com o fim do exame o que vai acontecer é que apenas alunos das chamadas “faculdades de primeira linha” serão valorizados, nós dos cursos de Direito das “Uniesquinas” perderemos nossa entidade certificadora, sendo medidos por nossas instituições de ensinos que primam pelo lucro em detrimento da qualidade.

      Ademais, a avaliação realizada pelo MEC através do ENADE não significa que os cursos sejam de qualidade ou não, já que as instituições de Ensino instruem seus alunos a responderem o questionário que é enviado aos estudantes antes das provas, os quais garantem média 2 no exame, o que somado com a prova de conteúdo garante aproveitamento mínimo de 60% na prova.

      Sou advogado há menos de um ano, sei das dificuldades até passarmos na OAB, mas sei também que o Exame aplicado por ela dignifica ainda mais esta nobre profissão e quem se opõe a ela é porque, assim como a grande maioria dos brasileiros, quer se nivelar por baixo, não quer saber de méritocracia, mas apenas de supostos direitos, esquecendo de que para colher é preciso plantar.

      Sou membro da classe C e me dediquei muito para passar no Exame de Ordem, isso só aumentou meu mérito e o orgulho de minha família, acabar com o exame é o mesmo que levar a advocacia ao limbo das profissões de “porta de boteco”. Se os nobres colegas já estão se borrando com o Exame da OAB, imagina quando estiverem tendo que operacionar o Direito…
      Quem não consegue passar na OAB deveria mudar de profissão, pois serão sempre meros ajudantes de advogado. O Exame da OAB não é fácil, mas não é nenhum concurso da magistratura ou do MP, e como queremos ter o mesmo respeito dispensado a estas nobres profissões se não nod garantimos nem para uma provinha dessas?

      LUTEM por dignidade na advocacia, valorização dos profissionais, enquadramento de escritórios como empresas, possibilitanto a livre publicidade e o marketing como forma de atrair clientes, lutem pelo valor mínimo nos honorários, já que hoje os grandes escritórios aceitam trabalhar praticamente de graça, fazendo com que as grandes empresas lucrem às nossas custas e não melhorem suas prestações de serviços, lutem pelo povo brasileiro, para que possam dispor de melhor saúde, educação equalidade de vida, pois acho pouco provável que alguém que não conte com estes direitos passe em qualquer prova que seja. Por fim, lutem pelo Direito Brasileiro, por 7ma sociedade mais justa e igual, aonde todos tenham as mesmas chances e oportunidades, com o objetivo de acabarmos com o “coitadismos” que permeia nossa sociedade e nos faz algozes de nosso desenvolvimento.

  22. Damaceno dos Anjos disse:

    Sou a favor do Exame de Ordem! Sou a favor da diminuição de faculdades de Direito no Brasil!Sou a favor que o curso tenha duração de 6 anos, incluindo antes deste período um preparatório para saber se o aluno realmente deseja ser advogado! Brasileiro não gosta de ler, não gosta de estudar! Defender o direito de alguém é algo sério, não pode ser sucateado por faculdades mesquinhas, por alunos ignorantes! É ridículo e sem sustentação essa posição contra o Exame de Ordem. O aluno estuda cinco ano, cinco anos! Tempo mais que suficiente para passar no exame. Mas, este é o país onde a sardinha quer ser salmão. O Advogado no Brasil corre o sério risco de se tornar uma profissão sucateada, avacalhada, pois pessoas sem preparo, sem vocação, mesquinhas, preguiçosas, arrogantes amantes da baderna e do desrespeito, e com seus corações transbordando de ódio, querem se apropriar de algo, que por seu espirito tacanho, jamais conseguiram! SER APROVADO NO EXAME DE ORDEM !No mais esse doente, Eduardo Cunha, pediu de forma escusa uma ” Carteira da Ordem”, recusa de pronto pelo presidente da OAB, creio isso em 2006/2007. Como represaria essa aberração, aberração! Começou sua hipócrita luta contra o Exame. O Brasil precisa acabar com esse pseudopoliticos, essas coisinhas ridículas, e começar a buscar mulheres e homens, sérios e comprometidos com a justiça e a verdade. Chega de maloqueragem, de sujeira do apego a corrupção. Chega de nivelação por baixo! CHEGA DE IDIOTAS!

    Detalhe; não sou advogado! mas conheço os efeitos nefastos da vitória dos oportunistas, dos fracassados e dos tacanhos!

  23. Jorge Marcolino disse:

    Apenas um rixa ideológica à OAB! Facilmente percebe – se ressentimento e ranco por tal instituição. Todos os argumentos não passam de politicagem. Defende uma causa sem se importar com os possíveis resultados advindos dessa proposição. “Ciência Social e Jurídica” é o curso; e muitos, MUUUITOS, não levam a vida universitária tão a sério. Então reflitamos a quantidade de picaretas e sacanas que iriam se aproveitar da ignorância alheia. O exame da OAB, acho eu, é o divisor de águas, é a peneira a qual não purifica, mas diminui a SACANAGEM.
    Concordo com a redução no valor da inscrição do exame.

  24. Jorge Marcolino disse:

    Além disso Eduardo Cunha nem bacharelando é ou foi. Então por favor! Deve está cercado de “bons” cidadãos, com “bons” interesses para formular tal assertiva.

    • Sou totalmente favorável ao exame, a aplicação pela OAB e como todo cidadão, sou contra a corrupção…mas isto é utópico em nosso país … a OAB em todos os pesares negativos continua sendo respeitada a um olhar geral. Falar que o mercado seleciona os melhores profissionais é utópico, sabe que excesso de advogados acarreta em captação de clientes a preços irrisórios. Tem que continuar sim o exame da ordem e cada vez mais difícil (lógico, Justo em sua aplicação) mesmo podando alguns por conta de tal exame. o excesso na profissão ”advogado” trás imagem negativa ligada a péssimos profissionais. Motivo pelo qual deve sim fiscalizar as faculdades em relação ao ensino aplicado e ter exame. Concordo com gratuidade do exame em face destas anuidades caríssimas.

  25. jose nunes disse:

    Eu acho um absurdo esse exame da OAB, não acrescenta nada, ou melhor acrescenta muito dinheiro para essa agremiação. Ao invez desse exame exdruxulo, todos os formandos em direto, deveriam sim prestar pelo menos 1 ano de seviços para o ESTADO, seria muito mais proveitoso do que exigir esse exame que custa muito ao bolso de pessoas que as vezes não tem dinheiro até para comprar leiet para os seus filhos..

  26. Sandra disse:

    Ridículo seria manter o exame de ordem quando a própria OAB oferece ao ESTUDANTE DE DIREITO a carteira do estudante chancelada por ela própria e este estudante nem findou o baharelado e o bacharel, que cursou os 5 anos, fica num vácuo, sem nenhuma carteira que o identifique profissionalmente? RIDÍCULO é manter esse exame que não confere nenhuma aptidão para o exercício profissional: o estudante que consegue a carteira não pode advogar antes de finalizar o bacharelado e o bacharel que percorreu os 5 anos, não consegue obter aprovação é incapaz??? INCOERENTE essa aplicação desse exame para quem não concluiu o bacharelado!!! E quem concluiu é muito digno de obter a titulação pois a capacidade será observada no mercado de trabalho e não com a aplicação de uma prova, que não mede a capacidade dos(as) alunos(as)

  27. “Seria mesmo um afã arrecadatório, portanto, da OAB?”

    A RESPOSTA É SIM!

    A OAB não tem que prestar contas com o dinheiro do Exame, ao contrário da anuidade paga pelos inscritos. Dos R$ 220,00 a FGV já declarou que fica com R$ 84,00 … pra onde vai o resto?

  28. Bruno Salazar Pereira disse:

    Eu sou bacharelando, curso o último período do curso, recentemente aprovado no certame.
    Sempre defendi, bem antes da aprovação, a realização dessa avaliação, por dois motivos:
    (a) muitos, mas muitos mesmo, passam os cinco anos do curso no bar da esquina bebendo, estudando para passar nas provas, enfim, sem aprender efetivamente a essência do curso. (b) Avaliar se o profissional está preparado, se não o estiver, não passará.

    Quanto ao critério arrecadatório, meus queridos, tu efetua o pagamento até para fazer o ENEM, por favor, sem demagogias agora… E outra, a OAB é uma Ente Especial, não é autarquia nem mesmo é um totalmente privado.

    Quanto aos critérios de correção, sim, são rígidos, mas nada que muito treino, estudo, irão te rodar… Se corrigiram erroneamente, não sei se vocês tem conhecimento de prazo para recurso que após o primeiro edital, ele inicia.

    Defendo ainda, e vemos na prática forense, a diferença de quem efetivamente se preparou para o exame e daqueles que vivem na “gandaia”.

    Um método para o sucesso: Estuda! Nada caí do céu.

    Seria muito fácil, se seguimos este raciocínio:
    “Ai eu quero ser magistrado estadual.
    Beleza… Mas não passei na prova. (que por sinal é beeem difícil, e é para ser mesmo, não podemos ter incompetentes no judiciário). Vou brigar para que não mais se exija prova!”

    Entenderam? Há necessidade, também, vamos ser realistas…, muitas universidades no Brasil nem poderiam estar abertas se dependessem da qualidade de ensino que repassam…

    Bem por isso, o Exame de Ordem além de ser extremamente necessário para a segurança jurídica no país, é um divisor de águas entre os bem preparados e aqueles que ainda não estão tão bem.

    • Ricardo disse:

      Os maiores juristas deste país não realizaram tal certame, tal exame não qualifica ninguém. Outro detalhe, para quem o oab presta conta, entidade tão seria! !!!!!

    • Amigo Bruno, existe essa situação nem Autarquia, nem um ente especial?Pra cobrar e nem pagar impostos a Oab e uma Autarquia, mas,para prestar contas dessa fortuna arrecadada sem nenhum fim social ela é privada?Isso está parecendo um estelionato educacional, precisamos de uma Cpi urgência conta esse sindicato que não pode está acima do Mec,chega de enganação. Países sérios quem faz esses exames e o estado e não sindicatos de classe.

  29. Carmem disse:

    Eu estudei de manhã, nunca fui para o bar e não faltava as aulas e não consigo passar na OAB, fico nervosa e bato nos 38/39. Fiz FMU que é uma boa faculdade. O cara que trabalha comigo tem oab e eu vivo corrigindo ate os erros ortográficos dele. Eu juro, eu tenho vergonha por ele, pois os chefes aqui vem me consultar ao invés de consultar ele que tem a tão almejada OAB.
    Sou contra esse exame que deixa a AOB milionária e que não qualifica profissional nenhum, muito pelo contrário, muitos passaram por pura sorte, pois são péssimos profissionais.

    • astrogildo campos disse:

      Eu também. Sei que sou inteligente e capacitado, porém fico entre 38 e 39. Posso ser taxado de burro pelos outros, mas acredito na minha capacidade.
      Vou rever a forma de estudar, acho que não devo estar estudando o material correto.
      O que me incomoda é a pressão externa, sempre me perguntam se passei ou não, quem não passa é rotulado.

  30. Carmem disse:

    Aliás, os meu colegas que nunca iam na aula, e que nao estavam nem ai passaram…E muitos deles nem exercem!

  31. Maurício Gaia disse:

    Breves considerações de um advogado recém aprovado no Exame de Ordem.

    Investi mais de R$100.000,00 (cem mil reais) entre mensalidades, alimentação, transporte, livros e boa parte do meu tempo entre estudo e trabalho.
    Como não pude pagar as mensalidades me incluí no FIES, o que me aliviou por um ano e meio para começar a pagar após a conclusão do curso.
    Pronto! Diploma em uma mão…Carteira da OAB na outra…Propostas do mercado para auferir, como advogado júnior, a imensa quantia mensal de, PASMEM, R$1.200,00 (um mil e duzentos reais) por mês, PASMEM de novo, sem registro em carteira e sem garantias e PASMEM outra vez, com experiência de três anos(não conta o estágio).
    Para melhorar essa situação poderei fazer uma especialização (custa em média R$400,00 por mês durante 6 meses), ou fazer uma pós lato sensu (custo médio de R$600,00 por até 12 meses), ou ainda uma pós stricto sensu (custo médio de R$1.500,00 por mês durante 24 ou 36 meses. Onde vamos buscar este dinheiro? Tem FIES para pós? NÃO!!!
    Também resta a opção de concurso público.É fácil pois diferentemente do Exame de Ordem, você pode “GABARITAR” e não ser chamado por não haver vagas suficientes, claro que custa entre R$100,00 e R$200,00 para a inscrição. Tente a isenção! Ela não pertence a você que fez FIES e não tem emprego. Vejam as exigências para isenção e tirem as suas próprias conclusões.
    Então, para pura reflexão:

    Deveremos colocar mais 2 milhões de advogados neste promissor mercado?

    Maurício Gaia

  32. GILMA disse:

    Sou Bacharel em direito formada no Rio. Não concordo com a obrigatoriedade de prestar exame da OAB para exercer a profissão de advogado. Acredito que a melhor maneira de testar a aptidão intelectual de cada formado seria as provas à nível de concurso público ou objetivamente uma pós graduação direcionada a área escolhida por cada candidato. O médico lida com vidas e após a conclusão do curso de medicina ele torna-se médico atuante em hospitais de diversas redes,sendo esta, setor público ou privado. Somente após concluir a pós graduação na área escolhida ele torna-se médico especializado. Acredito que para a área do direito esse seria o melhor caminho.

  33. jacquelinedonofree disse:

    Sou a favor de que seja realmente abolido o exame da oab pois este exame foi criado para comer dinheiro , pois os médicos, engenheiros e outros que mexem diretamente com a vida de pessoas que coloca a vidas em risco não precisa e nos que estamos pro resto da vida com a intenção de informar ajudar a fazer o melhor para nossa sociedade somos massacrados com esse absurdo que e o exame da ordem isso é humilhante e como nós chamrem de palhaços pois lutamos tanto para termos uma profissão digna e somos impedidos de exercer a profissão solene que abraçamos por conta de ganância e heroísmo puro. Abaixo o exame da oab.

  34. Marco Polo disse:

    Acho que o exame deve permanecer, porém se o candidato for aprovado na primeira fase, não deveria repeti-la novamente.

  35. carlos disse:

    Passar no exame de ordem, é uma obrigação! O sujeito que é reprovado em um exame deste, mesmo após ter cursado direito por 5 anos, me desculpem, não merece ser “Advogado”! Além de tornar mais rigoroso o exame, deve-se fechar 90% desses cursos fajutos de direito que são abertos todos os dias por aí. . A pessoa não sabe a definição de DOLO e quer advogar. . A FAVOR DA CONTINUIDADE DO EXAME, E COM UM MAIOR NIVEL DE COMPLEXIDADE.. A ADVOCACIA ESTÁ FICANDO DESMORALIZADA , MARGINALIZADA, E ESTIGNATIZADA…

  36. Amigos, fico feliz em propor o debate saudável entre todos nós.

    Divergências são combustível para o debate, mas a educação é a virtude que abranda esse fogo e traz novas reflexões.

    A todos que debatem aqui, meus parabéns e agradecimento por podermos proporcionar um ambiente saudável de debate.

    Abs!!!!

  37. Angelo Sousa disse:

    Estou no sétimo semestre e se tiver que fazer eu farei, mas se quisessem acabar e continuar avaliando basta o MEC determinar média 8 sem trabalhos (só provas)para todas as instruções. Eu vejo a advocacia como um sacerdócio, só é bom quem tem vocação, quem não tem pode passar em exame e até tentar exercer, mas não se firmará pois sacerdócio não é vontade que dá e logo passa.

  38. Fernanda disse:

    Concordo com a obrigatoriedade do Exame da Ordem. Passei no primeiro que fiz e sem me matar de estudar, sem cursinho, só com o conhecimento que adquiri na faculdade. Exame da Ordem não é sorte, é conhecimento e controle emocional juntos, condições básicas para bons profissionais. Conheço pessoas que não conseguem passar no Exame da OAB e são muito inteligentes, porém não tem controle emocional, então não serve para ser advogado. No dia a dia da profissão precisamos ter essas qualidades para defendermos bem nossos clientes.

  39. Rafa disse:

    Apesar de não ter concluído o curso de Direito e me formado em outra área, eu concordo com o exame da ordem. Acredito que todos os cursos não só Direito, deveriam ter a obrigatoriedade de fazer uma prova semelhante a esta para poderem exercer suas profissões. Recentemente a USP fez um exame para aprovar alunos que gostariam de fazer especialização em Medicina e inúmeros alunos não sabiam detectar uma tuberculose e nem a diferença entre dores na pedra no rim ou apêndice. Conheço pessoas formadas em letras e não sabe escrever corretamente, com erros absurdos. Quando eu estagiei, eu acompanhava um advogado que a outra parte foi praticamente humilhada pelo juiz porque o advogado tinha feito a petição totalmente errada e com erros absurdos.
    A OAB deveria fazer a primeira prova gratuitamente mas a segunda o candidato deveria pagar, isso seria justo. Muitas pessoas que querem extinguir a prova da ordem são as que passaram o curso inteiro brincando, empurrando com a barriga, reprovando várias matérias e ainda quer advogar. Existem MUITAS faculdades sendo abertas atualmente, antigamente o curso “base” dessas faculdades era administração, hoje é Direito, por causa dos concursos e virou um “mercado” isso e tem muita faculdade ruim por ai… A prova é difícil para quem não estuda.

  40. mauricio disse:

    E so estudar que vc passa sou a favor do exame oab tem muito vagabundo que fica os cinco anos da faculdade no boteco depois vem falar que prova e difícil vai estudar.

  41. Sou advogada e não concordo com o Exame da Ordem nos atuais moldes. A começar pela taxa de inscrição extremamente arbitrária. Contudo, os custos com a preparação não param por ai. Além disso, a forma com somos avaliados, os critérios adotados pelas Instituições responsáveis pela realização e correção das provas, oscila de forma a prejudicar, muitas vezes, injustamente (ou propositalmente). O ideal seria uma residência jurídica ou uma espécie de período probatório, onde por meio de “estágios” e, ou, cursos (pós, etc) alcançaríamos a carteira definitiva.

    A verdade é que não é digno colocar na conta de 2 milhões de bacharéis, o desmazelo e a falta de qualidade dos mais de 1.000 cursos de direito espalhados pelo país.
    É, a faculdade não te prepara para a ordem, e o pior, não te prepara para vida prática.

    O que tenho visto é que após a aprovação, depois de todos os custos e dedicação, você se depara com um mercado de trabalho desvalorizado pelos próprios profissionais e pelos grandes escritórios de advocacia. Nessa contenda, não vislumbrei, até o momento, qualquer atitude buscando combater de forma eficiente os abusos e a falta de ética dos profissionais, por parte da OAB.
    Indo mais além, não existe um teto que estabeleça as diretrizes a serem seguidas para a estipulação dos salários e diligências; em grandes e médios escritórios a probabilidade de crescimento é pequena, senão nula. Abrir um escritório é uma verdade luta (com um “verdadeira luta” enorme na conta)..

  42. Ronaldo disse:

    Eu não sou contra o exame da OAB. Fiz 2 vezes a prova e passei.
    Sou contra de abrirem faculdades de direito uma em cima da outra. Essas faculdades que enganam os alunos, são faculdades de péssimo nível.
    A propósito, quem fala que a prova é um bicho de 7 cabeças está completamente errado.
    Sou casado, tenho 2 filhos menores, trabalho e estudava a noite.
    Nunca deixei de fazer nada por causa do exame como disse alguns colegas acima.
    Para quem não passa na prova e fica culpando a OAB é porque não tem estratégia em seus estudos.

    • Sou totalmente favorável ao exame, a aplicação pela OAB e como todo cidadão, sou contra a corrupção…mas isto é utópico em nosso país … a OAB em todos os pesares negativos continua sendo respeitada a um olhar geral. Falar que o mercado seleciona os melhores profissionais é utópico, sabe que excesso de advogados acarreta em captação de clientes a preços irrisórios. Tem que continuar sim o exame da ordem e cada vez mais difícil (lógico, Justo em sua aplicação) mesmo podando alguns por conta de tal exame. o excesso na profissão ”advogado” trás imagem negativa ligada a péssimos profissionais. Motivo pelo qual deve sim fiscalizar as faculdades em relação ao ensino aplicado e ter exame. Concordo com gratuidade do exame em face destas anuidades caríssimas.

  43. Giuliano disse:

    Sou advogado. Sou contra o exame, mas o problema é outro. No Brasil há mais faculdades de direito do que no resto do mundo. Esse é o problema… Daí um concurso de juiz tem 11mil candidatos e consequentemente a nota de corte vai 87% das questões. Esse país é ridículo!

  44. Liliane Domingos disse:

    Totalmente à favor do Exame de Ordem! Estudar é o caminho para aprovação!

  45. Henrique disse:

    Prestei a ordem. Passei. E defendo sua manutenção.

  46. Cláudio Habermann Junior disse:

    Sou contra o Exame da OAB, até porque, quem pretende advogar deve ter consciência que sua vida será estudar sempre, e não apenas para o Exame da OAB como vejo alguns colegas!!!

  47. Alexandre da Rocha Bittencourt disse:

    Perfeita a colocação do colega Alex, concordo em quase tudo, porém temos registro sim de venda de inscrições da OAB, que foram apuradas e os “advogados” envolvidos terão seus registros anulados, respondendo também criminalmente por seus atos.
    Não é a existência de corrupção que retira a importância do exame, ele sempre será necessário e existe em diversos países, seria o Brasil diferente?
    Seremos sempre o país do “jeitinho”?
    Não acredito que ainda pensem que o exame seja descartável e desnecessário!!!
    Trabalhava de segunda a segunda vendendo automóveis, não é erro de digitação, eu realmente trabalhava de segunda a segunda, iniciando as 8:00 e saindo as 19:00, e mesmo assim, foi possível concluir a graduação e conseguir a aprovação na OAB!!!
    Nunca foi possível fazer estágio ou ter qualquer contato com “dia a dia” da nossa profissão, realmente tive que passar com o que eu estudei!!
    Agora realmente não entendo, como boa parte dos bacharéis que apenas estudam, faculdades pagas pelos pais ou não, fazem diversos estágios e não conseguem passar numa prova que requer 50% de acertos e ter entendimento e solução para um problema jurídico na segunda etapa?
    Não existe espaço para discutir a aplicação ou não do exame e sim para entender como tantas pessoas são aprovadas sem o mínimo conhecimento jurídico.
    Concordo em discutir a forma que é aplicada e tantos outros erros de correção e decisões arbitrarias de FGV e OAB, isso sim tem que melhor!!
    No mais só o estudo resolverá!!!
    Sorte a todos que estão se preparando, vocês chegarão lá!!!

  48. Miguel disse:

    Tem é que endurecer ainda mais, tornar mais seletivo ainda o exame da OAB, assim como implementar o mesmo exame para outras profissões que são supervisionados por conselhos e entidades de classe. Extinguir é insano, afinal as universidades (infelizmente) não possuem um ensino digno de lançar profissionais no mercado, e o exame de ordem obriga o pretendente a ver ou rever tudo que “aprendeu”, com isso reveste-se com um pouco mais de conhecimento antes de receber o título de advogado, médico, engenheiro, psicólogo, dentista, etc.

  49. Gean disse:

    Desculpa esfarrapada de quem brincou a faculdade inteira, o exame de ordem é um brinquedinho simples, tem nada de difícil. Quem se dedicou na faculdade e fez bons estágios, passa no exame sem problema.

    O que precisa é ter exame de sanidade mental para ingressar em qualquer cargo político, principalmente os do legislativo, que merece ser renomeado de maior bueiro do mundo, só sai dejeto de lá.

    Vai procurar o que fazer deputado, vai ser útil à população.

  50. Elisangela disse:

    Nunca fiz a prova da Ordem, pois tenho outra profissão que me satisfaz. Porém, aos colegas aí que defendem o exame, gostaria de deixar uma reflexão.
    O curso de Direito é o único que VC cursa 5 anos e sai da faculdade sendo ninguém.
    Vcs falam em nivelar, legal. Nivelem e apliquem a prova durante o curso, dentro da faculdade. Seria mais justo. Agora agaranhar todos os anos com essa prova , que pra muitos , chamada de terror, é justo?
    Falamos , defendemos a justiça, e onde esta a justiça.
    Para quem se forma num país como o nosso,muitos num esforço terrível e não tem profissão…
    O próprio mercado de trabalho nivela quem tem capacidade e quem não tem, como tem gente bem e mal sucedida em qualquer profissão.
    Não é a prova da Ordem que diz se VC é bom ou não. É o profissional que revela isso.
    Provas gratuitas da OAB no final do curso, dentro da facul, como condição para conclusão do mesmo. Isso seria mais justo.

  51. Natan disse:

    Passei no último exame e sou a favor dele. O grande número de reprovados reflete a forma como cada examinando levou sua vida acadêmica.

  52. Silvio disse:

    Muito bem Elisângela, o exame de ordem não pode aferir quem será ou não bom profissional, pois impende avaliar a questão moral em conjunto com a sapiência, estudar para passar não significa que a pessoa seja competente, significa que estudou para passar, e isso qualquer um pode, que se faça o exame de ordem, mas que não seja a própria OAB a realizá-lo, a fim de tornar o certame, liso, probo, reto. Que seja o formando avaliado ainda nos bancos acadêmicos, sob a supervisão da ordem mas não sob o comando dela. Desta forma, a sociedade fica segura, porque o estudante também é sociedade e, portanto, tem que ter segurança de que depende de si a aprovação no exame de ordem e colação de grau.

  53. Donizete disse:

    Penso que o exame é necessário. Não posso crer que alguém 50% de acerto em uma prova objetiva e 60% em uma prova de subjetiva possam ser barreiras intransponíveis, para aqueles que querem defender o direito alheio.
    Passei ainda no 9º período. Estudando de manhã, trabalhando a noite e parte da madrugada. Não há nada que um pouco de foco e suor não vença.

    • sabrina disse:

      Vc acha certo ficar cinco ano em uma facultade Seja pública ou particular ter as melhores notas, e depois fazer por varias vezes o exame e não passar. Eu não acho justo.
      Me desculpa-me más a responsabilidade de adv. e bem menas do que de um médico. A cima de nos tem os juizes. E esses sim tem que saber o direito das pessoas muitos mais do nos adv.Agora te pergunto a cima dos médicos tem otros para jugar o caso?

  54. Não entendo porque a contrariedade do exame, na verdade acho que todo o profissional deveria passar por exame semelhante após o término da faculdade, tendo em vista as inúmeras instituições de ensino que mal preparam os estudantes, na verdade é que a prova da OAB não é um bicho de 7 cabeças, não é o Cérbero nos portões do inferno, somente cabe aos estudantes fazer a parte que lhes cabe…estudar. Não fiz uma faculdade de grande renome, não fiz cursinho preparatório, não era nem de longe um dos melhores alunos, simplesmente estudei, parei de me preocupar com a prova e estudei com seriedade…passei na primeira, Parem de reclamar e vão estudar.

  55. Richardson Garcia da Silva disse:

    Infelizmente é necessário esse exame e deveria ter pra todas as profissões

  56. sabrina disse:

    Sou a favor que acabe com exame da OAB os cursantes de direito não são mais rum do que dos outros cursos. A nossa contituiça a segura direito igual para todos onde está esse direito, que uns faz examen e oturos não.

  57. juarez disse:

    Sou a favor de uma inscrição normal que é concedida a todos que venha a se formar em faculdade credenciada , mas vou deixar claro que dessa forma que esta colocado em pratica hoje é um absurdo, avaliação deveria ser feito como o CRM, nunca vi um médico que cuida da saúde que é primordial a vida, prestar exame pra começar a exercer, pq isso pro Advogado ???

  58. Ninguém briga tanto por uma causa que não lhe de lucro ! A OAB sim.
    Até hoje ninguém explicou porque só a OAB insiste nesse exame, e outros cursos Não ?.

    Tem que acabar com esse tal exame de ordem da OAB sim, pos quem escolhe seus profissionais é a própria sociedade através do ouvir dizer. O ADV é bom mesmo.

    Estou com em primeiro lugar com a Constituição do Brasil, e em segundo lugar com o Dep. Eduardo Cunha Hoje Presidente da Câmara federal em Brasilia.

    E olhem esse homem não prega prego sem estopa. O exame já tem seu final marcado.

  59. Gabriel disse:

    sou advogado….passei no exame e defendo sua continuidade!!!!
    Salvo engano….inclusive os EUA também possuem um exame parecido!!!!
    O exame é necessário, ponto!
    Agora sobre ele ser realizado pelo MEC….essa é uma proposta muito interessante e deve ser melhor avaliada!!!!

  60. monica mello disse:

    Deputado Cunha,estou com você. Esse exame é inconstitucional,pois um médico quando se forma é médico,um advogado,não!! Fica dependente de uma autarquia. Quem pode analisar se você será um bom ou um mal profissional,são seus professores e a sua atuação no mercado,pois a prova ,não prova o seu caráter. O que é necessário a um bom profissional,em qualquer área profissional.

  61. Mauro Valdevino disse:

    Sou favorável ao exame da ordem, porque alguns dizem que o médico não passa por exame semelhante, isso é mentira, eles passam sim, mas mesmo que tenham notas ridículas, mesmo assim exercem a profissão, contudo o estrago no meio jurídico as consequências são ainda piores se o profissional não tiver qualidade é a chamada ” perda de uma chance” que pode ter reflexo na vida de várias pessoas de uma família. Portanto exame sim, agora R$ 200,00 reais para fazer o exame é um absurdo e o MEC podia tomar conta disso. Em tempo fiz o exame também e sei o quão necessário é a qualificação do profissional.

  62. Marcio disse:

    Sou de apoio a extinção. É uma arrecadação abusiva sem parâmetro de aprovação ou reprovação. Muitos tem plena condição mas não conseguem passar. A OAB arrecadaria muito mais com aqueles q atuaria e seriam destacados no mercado por competência própria.

  63. romulo faraco disse:

    sou a favor da manutenção sim do exame, tem bacharel que nao aprende nada ao longo do curso, por enes fatores, injusto com quem se esforçou
    e passou no exame, passei e mesmo que se nao passado seria a favor, exame da ordem reflete o que você aprendeu….

  64. ENIO ALVES GALINDO disse:

    Enio Galindo.

    Concordo plemanente comalgums colegas quando tratamos do assunto em questão e sou contra esta bendita prova da OAB , ou melhor este impessilio para cada bacharel em direito em poder exercer sua profissão. Propriamente nos excluem do mercado de trabalho , pois sabemos que sem o registro na OAB não somos nada meramente moleques de recado para algums escritorios.

  65. Carlos disse:

    Com exame da ordem já é difícil encontrar um bom advogado, imagine sem o exame de ordem. O problema é muito mais complexo do que muitos imaginam. Tudo começa com uma boa educação de base, algo não proporcionado nesse país. Algo precisa filtrar os profissionais.

  66. Letícia disse:

    Não sou advogada e nem ao menos formada em direito, mas venho expressar minha opinião sobre o assunto, por trabalhar em um Tribunal e acompanhar muitos processos.
    Um único e simples comentário o Exame da OAB, é um exame novo, conheço muitos advogados antigos que tem 25, 30 anos de profissão e que não fizeram o exame de ordem, simplesmente formaram e fizeram sua inscrição, ou seja, será realmente que uma prova como essa avalia se o bacharel será um bom ou um mau profissional? Conheço muitos profissionais que são extremamente ruins em tudo o que fazem e que inclusive apresentam petições e recursos absurdos de se ler, perdem prazo, e além agridem a grafia da nossa língua portuguesa, que acho melhor nem comentar.
    Por este motivo e outros é que sou a favor da extinção do Exame de Ordem.

  67. Yung Lee disse:

    FIM AO EXAME DA ORDEM!!!
    Engenharia não tem, medicina não tem, psicologia não tem, veterinária não tem, área da educação não tem, arquitetura não tem, contábeis não tem, economia não tem, fisioterapia não tem, física não tem, administração não tem, entre outras………….
    O MERCADO SUCUMBE O INEFICIENTE PROFISSIONAL!!!!!

    SÓ QUE PASSOU QUER SUA MANUTENÇÃO !
    QUEM NÃO PASSOU QUE SUA EXTINÇÃO !

    CADA UM COM SEU EGOCENTRISMO!

  68. Sou a favor do Exame da Ordem e sempre fui, passei na segunda tentativa e mesmo quando fui reprovada na 1ª vez, não fui contra o exame. Li alguns comentários sem fundamentos, tais como: o Brasil é o único país que exige esse tipo de exame… Errado nos Estados Unidos vc tem que prestar o B.A.R, que é o equivalente ao exame da Ordem aqui o país.
    2 comentário, estudei muito, estudei sempre, e fico nervosa e não consigo passar. Então como irá advogar? Falar na frente do Juiz? Fazer Júri? Trate-se, sem ofensa, até pq tenho alguns amigos que fizeram terapia por conta da alteração no dia da prova e hoje são advogados.
    É verdade OAB não comprova sabedoria, conhecimento, porém demonstra capacidade de controle e sagacidade, e isso é característica indispensável ao advogado. E quero ver alguma pessoa que gastou além dos 05 anos com a faculdade, cursinhos, abriu mão dos amigos, namorado, e finalmente conseguiu passar, dizer que é contra o exame.

  69. Damaceno dos anjos disse:

    ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL! ORDEM!
    Dizer que é arrecadatório sem ver a conta prestação é o argumento dos fracassados! PERDEDORES VÃO FAZER OUTRO CURSO!

  70. OABosta disse:

    É um absurdo essa prova do OAB’’, é como estivesse fazendo duas faculdades, sendo uma justa… E a outra injusta. Totalmente inconstitucional essa prova do OAB. Qualquer adv que é sabedor da lei, cabe muito bem! . Tudo esquema, imagine se toda a outra faculdade para se tornar um profissional teria que fazer duas provas de avaliações depois de formados… Ainda produzir uma petição e responder mais quatro questões discursivas. …Vendo que a profissão de advogado e muito aventureira, pois é : Autônomo, Vendedor, Office-boy , Pscoladvoga, ainda com as esperas dos processos…, Com essa linda “Justiça!”.
    Observando que essa 2º fase é mas para eliminar os candidatos, são chamado de pente fino.

  71. Helena Ferreira disse:

    Meus Deus esse exame passou da hora de acabar ,e um absurdo comparar as leis do Brasil com os EUA, pois lá as leis funcionam, e só o povo assistir TV e ler revista para ver que 90% da corrupção no Brasil tem sempre um Advogado envolvido. Em Portugal não tem exame da Ordem e lá as leis funcionam, o que mede a capacidade do Advogado não e aprova da OAB e sim e ele ser Honesto e justo para com seus clientes e com o cidadão que necessita de sua orientação para se um dia dele necessitar. Em Portugal não tem exame de Ordem e o curso de Direito lá são 4 anos, onde nesse período o aluno faz estagio de 2 anos, para obterem o diploma, no Brasil tem aluno que faz estagio no 2 período e nem por isso sabe menos que um Advogado quem tem a carteira. Estou fazendo mestrado na UP.PT Universidade do Porto , que são 2 anos, e os alunos não acreditam quando falo que no Brasil um Advogado que fica 5 anos a estudar não podem advogar, eles acham isso um absurdo. Fica ai a essa informação para todos aquele que insistem em manter o exame no Pais. Principalmente para o Presidente da Câmara Sr. Eduardo Cunha.

  72. Heleno Oliveira Moraes disse:

    Não sei se sou contra o “exame” da OAB. Mas sou contra a OAB, que, ao que parece, quer se tornar um quarto poder. Com a diferença que não presta concurso para o preenchimento do seu quadro de pessoal, não presta contas, nem faz eleição direta da sua direção, entre outras coisas.

  73. David Monks disse:

    O pessoal que reclama do exame são, em sua estrondosa maioria, os que não conseguem passar.

    Faz-se tanta analogia com os médico, falando-se que a vida é mais importante e etc., que se esquecem que sem o Direito, sem as regras que essa ciência regula, não haveria saúde, não haveria direitos e garantias fundamentais, direitos sociais, enfim, e para deixar bem claro, só o que existiria seria a vida, o resto todo em que ela se ampara para ter o mínimo de qualidade seria perdido. A vida depende das regras jurídicas que nós, operadores do direito, formulamos e regulamos. É de um raciocínio muito raso fazer equiparações sem atentar para o contexto social.

    A via inversa é que deveria ser considerada; exame profissional para: a) médicos, para que não matem pessoas por incompetência; b) engenheiros, para que não ergam obras que desabem; c) preparadores físicos, para que não lesionem os corpos dos treinados etc. Percebem como toda profissão, se não for bem exercida, oferece risco?

    Do jeito que está o ensino jurídico, voltando para o nosso campo, é evidente a necessidade do exame. Fácil do jeito que é, reprovando a quantidade de pessoas que ainda reprova, mais do que grita sua necessidade para impedir que analfabetos jurídicos funcionais ingressem no mercado de quem estudou para estar lá.

    O brasileiro está tão acostumado a cerrar o debate que acaba encontrando somente a opinião de quem tem interesse em ingressar no mercado por essa via do malandro. Agora, pergunte a quem realmente é onerado por contratar um profissional incompetente o que ele irá achar. Falta de debate é o que nos torna menos democráticos em questões relevantes como essa. Não se trata do ingresso de uma meia dúzia de mal sucedidos bacharéis nos quadros da OAB, mas de sujeitar o povo a mais esse encargo.

    O deputado pode fazer o favor e elaborar uma lei que dê transparência às emendas parlamentares, isso sim, mar de corrupção e suborno que é.

  74. Conrado Schramme disse:

    Fiz o exame e passei sem grandes dificuldades. O Exame é necessário, e extremamente simples, sem cobrar nenhum conteúdo extraordinário.

    É tolo quem diz que o “mercado selecionará os melhores advogados”, pois uma causa perdida e transitada em julgado não pode ser rediscutida, e os danos causados por um “advogado” podem causar um dano de difícil reparação a parte, que só descobrirá a incompetência de seu advogado contratado ao fim do processo.

    É difícil para um leigo conseguir acompanhar o trabalho exercido por um advogado. E mais difícil ainda entender se ele esta tomando todas as providências que deveria para o correto e favorável andamento da pretensão.

    O Exame da Ordem é necessário e outras carreiras (como a de médicos) deveriam ter um exame semelhante.

    Temos instituições de ensino superior em excesso no país, muitas delas que não dão o minimo de preparo para o profissional, bastando, para concluir o curso, pagar todas as mensalidades.

    Os exames não visam arrecadar dinheiro, e sim proteger a imagem dos profissionais que já atuam e também proteger o povo comum que precisa de tais serviços, assegurando um MÍNIMO de qualidade, pois, sinceramente, alguém que se mostra incapaz de passar em tal prova não tem a menor condição de advogar.

    Este parlamentar deveria se ocupar com problemas reais, como a corrupção, deficiência na saúde, educaçaõ e segurança da nação, e não agredir uma das poucas instituições que se mostra séria nesse país, que é a OAB.

  75. Aos que faltaram ao curso de Direito Constitucional, é bom lembrar que fomos eleitos pelo legislador como essencias à justiça.
    Isso significa que para pertencer aos Quadros da Ordem há que se ter, no minimo, a mesma estatura intelectual dos operadores do direito que estão magistratura, e em outras carreiras jurídicas .
    Nosso exame tem de ser durissimo, porque os que reclamam, em sua maioria, só buscam pagar o pedágio imposto pela norma.
    Ao argumento de quem é a favor do exame é porque não o prestou, deve-se lembrar ao que faltaram a aula, que a norma não regulamentava. Ora, é por isso que o exame é necessário. Infelizmente, muitos acham lindo ser juiz, promotor, etc… e com os Quadros da Ordem é na avacalhação?
    Além do mais, se presume que o candidato que quer pertencer aos Qadros da Ordem, saibam ler e tenham frequentado uma faculdade de Direito. Então, nada mais justo que submete-lo à prova. O cliente agradece! Não lembro da anulação de nenum exame por causa das questões versarem sobro o Código Penal Ucraniano
    O Exame é sério, oportuno! Que fique para sempre.

  76. Vitor Queiroz disse:

    pelo fato de pessoas como Jair BOlsonaro e Eduardo Cunha serem a contra o exame de ordem, eu sou a favor.
    Bom, é melhor o Eduardo Cunha se ocupar com isso, do que com “Dia do Orgulho Hétero”

  77. lulu disse:

    Acredito q seria interessante não só a continuação da existência do exame da ordem como também q fosse dobrado o preço dele e q também só aprovassem o max 5% dos inscritos por exame , quem sabe assim esse povo q reclama da prova começa a sair doa botecos nos horários de aula , a fazer REALMENTE os trabalhos solicitados pelos professores , dai quem sabe , esses chorões aprendem a não reclamar se uma prova q exige 50% de acerto na 1 fase e uma peca ridícula na 2 fase.

  78. Quer passar no exame de ordem? Estude! Não tem segredo!

  79. Ralph Cordeiro disse:

    Sou advogado a 7 anos, e estou convicto que o exame da ordem é apenas um artificio de reserva de mercado, todo argumento a favor é falso para justificar essa verdade.

  80. zenite kaczawa disse:

    sou bacharel em Direito, já o exame não passei, sei que é difícil, mas sou a favor, se querem limitar o número de advogados devem fechar alguns cursos de Direito que tem por aí de baixa qualidade.

  81. edson disse:

    Sou a favor do exame, porém na segunda fase o examinador corrige a prova com espelho de prova e corrigindo como se fosse uma prova de concurso e esse exame não é concurso para definir colocados, mas sim uma prova para que o bacharel em direito demonstre se está hábito a exercer a profissão de advogado. Assim sendo na segunda fse deveria ser corrigida subjetivamente pelo examinador e nao com espelho de prova fefinido sua nota de acordo com os conceitos da fgv.

  82. Prestei o exame ainda quando estava cursando a faculdade, passei. A OAB é uma das poucas coisas sérias e corretas nesse país. Portanto, respeito com a ORDEM. Ainda, entendo que todas as profissões deveriam aplicar exames para a inscrição em seus quadros. O exame da OAB não tem interesse em arrecadar, mas sim exigir o mínimo aceitável para o exercício da profissão. Todavia, poderiam reformular as questões evitando “pegadinhas”.
    Ademais, quando ocorre a formação do estudante de direito ele se torna um bacharel em direito. A situação é bem clara e de conhecimento geral, para ser advogado é necessário prestar o exame e ser aprovado. Ocorre que muitos passam 5, 6 anos sem se preparar, no fim, choram as constantes reprovações.

  83. OAB INSCOSTITUCIONAL disse:

    Todos os cursos de graduação tem o título de bacharel, como Engenharia, Matemática, Letras, Sociologia, Economia, Administração, Contabilidade, Comunicação social, Farmácia, Medicina, Odontologia, Fisioterapia, Enfermagem etc… Deveria todos esses cursos, também fazer uma prova de avaliação, para vê se estão hábitos para exercer as suas profissões… Após ter em mãos os seus registros profissionais. Como já acontecer com o curso de direito.
    Diz a constituição, “todos têm direito a ter acesso à justiça” Mas acho tudo mentira.
    Ex. O estudante de direito ao se tornar um advogado, tem que ter 5(cinco) anos de estudo, depois tem que pagar uma prova para tentar passar no OAB.
    A constituição diz que qualquer cidadão tem direito a justiça, ainda diz que é gratuita.
    Como fica um bacharel em direito? Para ter o acesso tem que pagar e fazer uma prova? Ainda com risco de perder, só para tentar ter acesso à justiça através da sua advocacia.
    Estranho que só o OAB, tem essa prioridade… “particular”.

  84. Joao Uzzum disse:

    Somente é contra o exame de ordem aqueles que não conseguem obter a sua aprovação! Deveriam dedicar seu tempo aos estudos e passar na prova ao invés de ficar tecendo críticas típicas dos despreparo. Acabar com o exame e se nivelar por baixo. O nível da maioria das faculdades particulares e dos bacharéis e péssimo. O advogado pode não lidar com a vida diretamente como o médico, mas trabalha com o patrimônio, a honra e a liberdade do cliente que são bens de extrema relevância. Não é admissível que este profissional seja despreparado. Aliás já está na hora de se diminuir a quantidade de faculdades de direito no país o mercado a muito está saturado. Viver sa advocacia hoje e algo quase impraticável!

  85. larissa disse:

    AchO que em vez de ficar lutando contra o exame, deve-se estudar e passar no mesmo. Creio que o mesmo exame deve ser aplicado e exigido para se exercer todas as profissões.

  86. JONAS CRUZ disse:

    Parabenizo o Dep. Eduardo Cunha nesse levante em favor dos bacharéis em direito do Brasil; outrossim lamento a defesa dos defensores da prova da OAB, pois o campo do direito profissional é grande, pois se é bom, desenvolve bem se for ruim, a própria clientela deixará esse profissional de lado, lamentável é um bocado de bacharéis de braços cruzados e um bocado de advogados com OAB na mão, que não prestaram o malfadado exame, e que se chamassem hoje para fazer essa prova com certeza seriam reprovados, deixando de lado jovens bacharéis, que participaram de um curso de mais de cinco anos, com estagio e defesa de monografia, ao mesmo estilo do exame de ordem da Espanha.
    Vamos a luta que VENCEREMOS, essa batalha, pois Bacharel em Direito que não defende seu direito, não deve nem se formar em DIREITO.

  87. Saulo disse:

    Muito suspeito alguém que não vem conseguindo passar no exame achar que a prova não avalia nada, que a OAB é má, etc. Como sempre, o problema não é da pessoa, mas do outro.

  88. Saulo disse:

    Acho que poderia haver melhora apenas em dois aspectos: 1 – o custo da prova pra uma pessoa jamais chega a 200 reais, o preço é elevadíssimo. Há concursos pra juiz e outras áreas jurídicas com prova oral, TAF, etc que saem mais baratos; 2 – a prova prática não pode ter um espelho fechado. Os casos na vida real podem ser resolvidos com mais de um argumento e a prova não é concurso. Apesar de o espelho conferir objetividade à correção, ocorrem de fato muitas injustiças nesse processo. Não pode a pessoa perder 1 ponto porque, na peça, não colocou um argumento que constava no espelho, mas colocou outros dois que o espelho não contemplou e seriam válidos em um caso concreto. A distribuição de pontos precisa ser mais inteligente, não engessada em um espelho que é só sair indicando princípios e artigos de lei pra ir pontuando.

    • Rogério. disse:

      Vi alguns comentários no tocante de alguns exercerem os seus oficios mesmo sem a oab.

      Lembro aos nobres que no caso do bacharel atuar bem mesmo sem a oab, isso, não é exercer bem ofício, mas sim prática do crime de exercício irregular da profissão. Se os nobres tivessem levado a serio a graduação, saberiam quais as implicações disto.
      Por isto, vemos tantas aberrações na área médica.

  89. dessa vez esse maldito exame da OAB, vai pras cucuias

  90. Anon disse:

    .
    .
    A lógica é muito simples e, deveras, curiosa: tão somente aqueles – a maioria pelo menos – que não conseguem aprovação na prova da ordem, correspondem aos que são contra o exame. Por que será?
    .
    .

  91. Marcio disse:

    Só a título de informação ao articulista que, mais de 70% dos inscritos atualmente na OAB, estão com suas mensalidades atrasadas, ou seja, não pagam, assim sendo, sua tese de que a OAB arrecadaria bem mais “CASO VENHA TER” mais de 2 milhões de advogados inscritos em seus quadros.

    Portanto, com certeza é melhor arrecadar setenta e cinco milhões por ano garantidos, do que sonhar com arrecadação de mais de um BILHÃO de reais.

    Diante do exposto, seria sim um afã arrecadatório garantido da OAB, ou seja, ou você paga adiantado, ou você não realiza o exame!

  92. Gustavo disse:

    Não existe número de vagas para advogar. Se alguns passam, isso significa que tiveram pessoas mais dedicadas, por isso estudaram, mais que os outros que não passaram. O advogado é um eterno estudioso e se ele quer advogar sem estudar, ele está na profissão errada.

  93. Roberto disse:

    Exame da ordem, porque?
    OAB é diferente, porque?
    Os bacharéis em direito devem ser tratados diferentemente, porque?
    Pagar R$220,00 para fazer um exame da ordem, porque?
    Acho que estudar e defender o direito em nosso País deveria ser visto com bons olhos, não como critérios de uma minoria autoritária.
    Formamos para buscar o direito e ao mesmo tempo temos os nossos direito arrancados.

  94. Yasmin disse:

    Eu apoio o Exame! Alegar a sua inconstitucionalidade é apenas uma desculpa para aqueles que não se esforçam o suficiente para passar na prova! O Exame é um método eficaz de peneirar os bacharéis, impedindo que advogados desqualificados entrem no mercado de trabalho. Garantir a qualidade da advocacia é garantir aos que necessitam dos serviços advocatícios uma defesa digna dos seus direitos.

  95. eduardo azeredo disse:

    Respeito todo tipo de opinião alheia. Porém afirmo, fiz o curso em uma Universidade pública, nunca sofri reprovação em qualquer disciplina, prestei seis vezes a prova da oab em administrativo, sempre aprovado na primeira fase. Acontece que do VIII até o XIV só existiu injustiça na aplicação e correção da prova. Por essas e outras estou desistindo dessa prova medíocre e nefasta. Torço para que Eduardo Cunha empenhe na luta contra essa máfia, pois espero ver a justifuncionar, acabando com essa máfia.

  96. marcos paulo disse:

    Eu passei pelo exame da ordem e posso dizer com a mais absoluta convicção de que sou contra o exame. Não avalia os bons profissionais. O exame da OAB infelizmente está acabando com as faculdades de Direito, explico:

    Estudantes perdem muito tempo estudando para essa porcaria de exame, quando de fato a faculdade deveria discutir direito, filosofia, pensamento de grandes juristas, e não questões de provas de OAB, pensem nisso…

    Hoje existem faculdades que só pensam em aprovar alunos nessa famigerada prova, pergunto:

    Saber resolver questões de provas de OAB tornam vocês bons advogados?

    Saber os fundamentos do direito, seus princípios, estudar teses, e pensamento de grandes juristas não seria melhor? Ah! mas isso não cai no exame da OAB…

  97. No dia 24/02 sai o resultado definitivo do XV exame. Quero ver se a OAB anula a peça de civil ou na pior das hipóteses admite os embargos infrigentes. Como bem excepciona a regra do artigo 498, CPC, onde os recursos podem ser interpostos de forma simultânea para as instâncias superiores(Resp e RE) onde estes ficarão sobrestados até o julgamento dos Embargos Infrigentes, que pode ser interposto ainda que a decisão do acórdão seja unânime, vez que se você optar pelo RESP, o relator nos termos do caput do artigo 557, do CPC negará seguimento ao Recurso para o STJ vez que o mesmo pode contrariar jurisprudência do tribunal e súmula do STJ e prejudicado será o RE, ao passo que os Embargos Infrigentes, poderá ser admitido pelo relator e ser convertido em RESP para o STJ e obstado será o RE. Diante do exposto xeque-mate FGV/OAB, será que vocês tem vegonha de ser honesto e continuar rindo da honra dos bacharéis em direito até quando? se não anule a prova de Direito Civil, a qual voces no gabarito extra oficial indicaram apenas o RESP, como única medida a ser tomada como advogado de João. Para os desavisados esse exame foi incluido no Estatuto da OAB e aprovado pelos vendilhões de direitos do congresso nacional sob dois momentos distintos que ocorreram na história do Brasil. O primeiro foi de comoção Nacional com a morte de Airton Senna em 1.° de maio de 1994. A bancada da OAB no congresso, em tempo recorde conseguiu desarquivar o projeto do estatuto que estava arquivado definitivamente desde 1992 com veto do Presidente Collor, por este maldito exame representar exclusão social e acesso ao trabalho e por fim contrariar o interesse público. O segundo instante, após as devidas readequações conseguiram aprová-lo na CCJ, o projeto seguiu para votação nas duas casas em menos de 60 dias foi aprovado, restando apenas a sanção do presidente Itamar Franco, e isso aconteceu no dia 4 de julho de 1994 e o Brasil jogava com os EUA pelas oitavas de final, Bebeto fez o gol eu te amo Romário, duas semanas depois, Brasil tetra campeão no futebol , carnaval de norte a sul imagine lá no congresso e no CFOAB e nas seccionais do Brasil. Dia 04 de julho esse maldito exame faz 21 anos sob a omissão do estado brasileiro, empata com a ditadura e continua excluindo milhares de bacharéis de exercer esta profissão digna por este Brasil a fora e a tal democracia continua enriquecendo os legitimados do artigo 103 da nossa constituição, mas acredito que a lei áurea ainda será regulamentada.

  98. Antenor Gomes de Andrade disse:

    OAB não paga curso de Bacharelado Direito, qual o poder que ela tem de interromper sua profissão Passar cinco anos em Faculdade e ser impedido de realizar o sonho. Quem nos devia dar nossas credenciais e o MEC e não OAB.

  99. silmar disse:

    Meu nome e silmara faço faculdade pra Direito e um curso q tem que estudar muito,meu ponto de vista e que acabe o exame da ordem pq 5 anos na faculdade e ainda por cima gastar mais dinheiro com a prova da OAB e muitas pessoas inteligentes que estudam não passar e um absurdo!!!!! Eu sou a favor que acabe.

  100. antonio disse:

    Aposto minha cabeça de que quem defende o exame defende a reserva de mercado, porque se assim não fosse não teriam medo de enfrentar concorrencia, garantir a qualidade da advocacia e conversa fiada, ora se advogado esta preocupado com isso, esta sim preocupado em garantir mais clientes para poder cobrar absurdos, digo isso, de fonte segura eis que tenho parentes que passaram no exame e me falam exatamente isso, é pura reserva demercado.

  101. Jorge ferreira disse:

    O que eu não entendo, é porque um médico sai da residencia e já vai trabalhar em hospitais sem fazer prova alguma, e quando faz, mesmo que reprovado pode ser clinico geral, mais uma dúvida minha, porque um bacharel em prova de segunda fase escolhe como peça, ex Penal, e ao passar pode trabalhar e exercer todas as áreas do direito. Um médico ao se especializar, pode atuar apenas na área que escolheu e passou na prova, ex: um pediatra exerce apenas a pediatria, não a cardiologia também, porque no direito é diferente???? está prova é ridícula, e não tem a mínima lógica, uma vergonha nacional, até porque no nosso país, analisando a situação, vejo que problemas sociais estão sendo bem mais importantes ao direito à vida, diante de médicos incompetentes e mal preparados, VEXAME!!!!!!!!!

  102. Isis disse:

    Um exame não mede a competência de ninguém, o mercado sim. Todos sabem que este exame é só para elitizar a advocacia, deixando de fora os mais necessitados que cursaram 5 anos de faculdade e não podem trabalhar.

  103. Raimundo Fontoura disse:

    A OAB precisa se restringir à fiscalização do exercício da profissão, abstendo-se do papel de avaliar os cursos superiores atribuição exclusiva do MEC. A OAB, tem por finalidade defender a Constituição, a ordem jurídica do Estado democrático de direito, os direitos humanos, a justiça social, e pugnar pela boa aplicação das leis, pela rápida administração da justiça e pelo aperfeiçoamento da cultura e das instituições jurídicas, e mais promover, com exclusividade, a representação, a defesa, e a disciplina dos advogados em toda a República Federativa do Brasil, é o que está esculpida no artigo 44 da lei 8906, Estatuto da Advocacia e da Ordem dos Advogados do Brasil. Não entendo está diante de um Exame de Ordem que sobrevive com a Inconstitucionalidade formal e material.
    O advogado, no exercício da sua profissão, já é fiscalizado pelos Magistrados, pelo cliente e pelo advogado da parte contrária e, principalmente pelo mercado que se encarrega de selecionar preditos profissionais.
    A OAB e os donos de Cursinhos preparatórios que não querem sejam extinto o Exame de Ordem, pois estes vivem do sacrifício dos Bacharéis, e alegam que a maior parte é inapta para exercer a profissão. Na verdade, existem as Comissões de Concursos que estão sempre envolvidas em fraudes por venda de provas, como é sempre denunciado pela imprensa e sabido por todos.
    Hodiernamente, não consigo entender porque as instituições de ensino podem formar médicos, economistas, engenheiros, biólogos, e para ingressar no mercado de trabalho, não precisem realizar qualquer Exame de Ordem ou Conselho, mas não possam formar bacharéis em Direito aptos a advogar?
    Ademais, o poderio da Ordem dos Advogados do Brasil em assumir ilegitimamente a função de fiscalizar o ensino superior brasileiro, exercendo indevidamente, as prerrogativas do Ministério da Educação e Cultura, das faculdades e das universidades do Brasil, isto tem que acabar. O poder legiferante Congresso Nacional, tem que acordar em favor dos Bacharéis extinguindo o tal Exame de Ordem e possibilitando ao mesmo bacharel em Direito o direito ao exercício da Advocacia.
    O exercício profissional sempre teve e sempre terá um lugar cativo no mercado de trabalho. Deixemos que a sapiência do mercado selecione os melhores, é assim que se procede na vida, e, no cotidiano.
    A Ordem já deixou o seu objetivo e adentrou no mercantilismo, daí a razão indubitável de ser extinto o mais rápido possível do nosso Ordenamento o tão lucrativo e nocivo Exame que não contribui em nada, somente para os dirigentes da OAB.
    Ademais, disso, é necessário que os olhos das autoridades se voltem para esta discrepância existente em nossa sociedade. E que o poder legiferante que é absolutamente legitimado corrija tão grave erro, e, que tal Exame se mantido, torna-se é uma excrescência medievel, e que é contrário ao interesse público além de afrontar a nova Ordem Constitucional do País.

  104. Marcos disse:

    Pessoas que se acham no direito de reclamar pelo fato de se submeterem a uma simples prova do exame de ordem não têm capacidade de exercer a advocacia, é meu ponto de vista. Hoje, 16 de março de 2015, conferi o gabarito da prova da OAB que foi aplicada ontem e constatei o que já era esperado, fui aprovado com excelente média na primeira fase do exame, e olha que ainda falta 1 ano para concluir o curso.

    Daí um recado para queles que só reclamam: ao invés de irem encher a pança de cachaça nos dias de aula e finais de semana VÃO ESTUDAR, aí sim poderemos falar em DIREITO DE IGUALDADE. O que não pode e querer comparam quem se se esforça para alcançar um objetivo com quem se esforça para chegar em casa após uma noitada de farra…………..

  105. Stella disse:

    Sou bacharel em direito. Acho que poderia continuar sim com a prova da oab, porém que as perguntas fossem redigidas com mais clareza e objetividade ao contrario do que vem sendo feito, perguntas enroladas, cheias de vícios, com pegadinhas. Me desculpem, mas isso não ira mensurar o nível de conhecimento de nenhum ser humano, de forma alguma. A impressão é que o examinador passa, é que nem eles sabem bem ao que querem perguntar. ABSURDO.

  106. rosilene disse:

    Que idiotas são os que não querem o final dessa crucificação. exerci Enfermagem , a 15 anos decorrentes.
    Ai me pergunto! poxa, eu lidava com bem maior a vida; e o médico porque ele não pode ser colocado a prova e se não passar ficar sem exercer sua profissão como estou formei desde de 2013 não estou dando conta de pagar para fazer o exame passagem, alimentação ,inscrição e o risco de pegar uma estrada 3 vezes ao ano, coloca isto no papel, tem que da um basta , que pais é esse…

  107. Luís Alberto disse:

    O meu posicionamento é o seguinte, nos moldes atuais o exame de ordem tem que mudar. Os alunos do curso de direito não podem pagar o preço pela explosão de cursos de direito no Brasil, pelos lucros dos grandes empresários da educação sem escrúpulos, na verdade muitos não são nem cursos, mas um negócio, um verdadeiro comércio. O aluno tem que ser avaliado estando dentro da faculdade, não após a conclusão do curso. Hoje temos as DPS de uma forma em que o aluno vai carregando as mesmas para o próximo semestre e para o próximo e assim vai… O governo tem, e deve determinar um número limite, para que o aluno tenha a progressão para o próximo semestre, se ultrapassar tem que ocorrer a reprovação do semestre. Hoje vivemos a mais absurda das situações, um aluno que se forma em Direito, ser menos do que um aluno que ainda está cursando a faculdade, e o interessante é que eu não vejo ninguém falar nisso. Aonde está a proteção da sociedade que a OAB tanto prega em seus discursos? Nós bacharéis não pertencemos a sociedade? Para aqueles que prestaram o último Exame de Ordem e que estão indo agora para a segunda fase, qual a lógica de no caso de duas reprovações na 2° fase terem que voltar novamente para a primeira fase, uma vez que já venceram à primeira, qual a lógica nisso? O que todos precisam entender é que não é uma luta, uma queda de braço entre os bacharéis e a OAB, mas sim sanar aquilo que está errado.

  108. S Solon disse:

    O exame da OAB , é no mínimo, traumatizante!
    Quando todos os formandos estão estagiando, estão se preparando para
    concursos, estão atualizados são destruídos , desmotivados e sofrem
    grande prejuízo financeiro e emocional quando são reprovados . Seus
    cinco anos de estudos são rejeitados!!!
    Enquanto os autos se amontoam e as vagas para juízes crescem !!!!

  109. Demilson disse:

    Olha, não é uma questão somente da extinção do exame da OAB. Logo deve fazer uma análise amplo, quanto as taxas paga um valor exorbitante um absurdo! Ademais quem tem interesse em continuar com exame da OAB, a própria, nem um examinado será um grande advogado sabedor de tudo porque passou na prova da avaliação de 80 questões da OAB. A alguns colegas que defendem o exame, cada um tem sua opinião. Parece não term fim este filme! Ou será uma novela sem fim?

  110. Duas palavras, o exame de ordem tem que acabar urgente.

  111. MÁRCIO MOURA disse:

    O exame da OAB, tornou-se nos últimos anos uma verdadeira “Industria’ para a OAB/FGV, Cursinhos, Professores, Livrarias e outros. O que acho esdruxulo, é Bel. Medico, Bel. Engª Civil, Psiquiatria, etc, NÃO passarem por tal exame. Por que??? Ora, se a Constituição Federal diz que todos são “Iguais perante a lei”, para onde foi a tal isonomia? A OAB tornou-se um verdadeiro “Trampolim” para candidaturas diversas a vários cargos publico por ser ex presidentes ou conselheiros de seccionais. Se Médico, Engenheiro civil e outros que trabalham com vidas humanas são reprovados com de 70% e podem exercer a profissão, qual o motivo de somente o Bels. Direito ser exigido tal exame? Exame meramente arrecadatório com pelo menos R$.80. Milhões, SEM prestar contas ao TCU ou qualquer órgão Governamental. A OAB não pode se sobrepor aos ditames Constitucionais. O próprio Marco Aurélio, Relator do RE 603.503/11, dias antes numa Faculdade de Brasilia afirmou, “O exame da OAB NÃO encontra guarida na Constituição”. O que será que mudou? Luiz Fux apesar de ter votado com o relator disse; “O exame da OAB caminha para a Inconstitucionalidade”. Advogado Português chega ao Brasil (sem xenofobismo), e pode atuar SEM prestar nenhum exame sem conhecimento da nossa legislação ou pouco conhecer. Isso é inversão de valores, demonstrando total desconexão com os Bels. Direito com diplomas outorgados pelo MEC a quem compete de acordo com os Artigos 205, 209, 22 inc XVI, lei 9.394/96, LDB. A OAB quando é do seu interesse ela é Privada para NÃO ser fiscalizada, quando não ela é Autárquica. Já ficou mais do que provado como o próprio PGR Dr. Rodrigo Janot no seu Parecer em 2011, elencou os artigos da Carta da Republica a INCONSTITUCIONALIDADE do exame da OAB. Reserva de Mercado e Restrição ao exercício da profissão. Por um Provimento desde 1994, a OAB surrupia, se sobrepuja a CRFB. Sindicatos, Associações, Movimentos, “Ordem”, Conselhos, NÃO podem e NÃO devem está acima da Carta Maior de um país. Só a OAB está!!! Por onde anda os poderes Constituídos nesse Brasil??? Se querem exame, façamos, desde que seja pelo MEC a quem está esculpido na Constituição vigente, e para todas as profissões e não para uma UNICA categoria de profissionais. Exame com caráter “Estelionatário” com finalidade realmente apenas de enriquecimento para alguns à custa da miséria dos Bels. Direito que ao final do curso NÃO podem pagar o seu FIES. Até nisso impera a OMISSÃO dos poderes Constituídos do Brasil. O Brasil tronou-se a “Republica dos Picaretas” e o país de “Dois pesos e duas medidas”. PELO FIM DO EXAME DA OAB, PELO FIM DO EXAME DO APARTHEID SOCIAL!!!!

  112. Quantos aqui passaram no exame sem ter que estudar em cursinho ? Nivelar por baixo ….rsrsrsrs deveriam pensar nos educadores hoje que são responsáveis por encaminhar nossos filhos com uma porcaria de um segundo grau. Vestibular que vestibular uma redação para ingresso em faculdades particulares. Ora tem algo de errado vc não acham, na verdade ta tudo errado… Nivelar por baixo ….então ta mais que na hora de mudar mais na raiz …..

  113. jose de moraes disse:

    Num pais em que os governantes acreditam que quem passa num exame está capacitado, o resultado é o que estamos vendo hoje. Se após dezenas de tentativa o candidato passa no exame é porque ele decorou e se decorou é porque teve tempo de sobra. Ninguém é tão estúpido de fazer a inscrição na OAB e imediatamente entra com uma ação no judiciário sem antes consultar um advogado ou um amigo conceituado. Um engenheiro mecânico,por exemplo,não sai da faculdade resolvendo todos os problemas sem antes passar por um treinamento na empresa que foi contratado. Na maioria das vezes ele não sabe nem de que lado aperta um parafuso. Médicos, arquitetos, contadores e outros não fogem a regra. Então, o exame de ordem não qualifica o advogado, pois mesmo com o número da inscrição , ele vai ter que estagiar em algum escritório para adquirir conhecimentos. Digo isso porque sou técnico em mecânica e durante minha vida tive que treinar dezenas de engenheiro recém formados. O exame de ordem deverá ser extinto e ainda fazer uma CPI para apurar os interesse daqueles que são a favor.

  114. Fabio disse:

    O exame da OAB, requisito necessário para ingressar na advocacia, não visa testar conhecimentos e sim explorar os bacharéis.
    Querem o exame, então tenha, mas q o mesmo seja prestado por conta da OAB, isentando o bacharel de taxas de inscrição.
    OBs: não estão preocupados com a qualidade do ensino, mas, em arrecadar milhões em sonhos frustrados.

  115. kesia disse:

    Não sou a favor do exame da Oab, porque não estamos falando de uma prova de habilitação para o exercício da profissão e sim de um mercantilismo, no qual tira de você 5 anos sentado dentro de uma universidade as vezes sem ter como pagar a mensalidade.
    Quando estamos nos graduando fazemos planos para quando estivermos formados, mas infelizmente somos agredidos psicologicamente com uma prova que requer conhecimento técnico, como fazer isso se você apenas teve o teórico
    Quem é a favor de ter gasto dinheiro durante 5 anos e ainda ter que gastar com cursinhos, é se conformar em não ter aprendido nada na faculdade
    Queremos tanto defender o interesse da sociedade que esquecemos de cobrar nossos próprios direito, enquanto prestarmos o exame estamos sendo conivente com a injustiça
    A própria constituição errou quando disse que toda e qualquer profissão é livre seu exercício, então significa que direito não é profissão
    A oab deveria ser um órgão fiscalizador do exercício profissional, ou seja depois que tivéssemos atuando, porque sem pratica não há profissão
    OAB , maquina de ganhar dinheiro de otários, Porque até 1994 o exame não era obrigatório agora é, será que é para fazer peneira dos bons e ruins ou é apenas para deturpar a classe menos favorecida

  116. O exame de ordem não deveria nem existir, Porque, ele não visa uma boa advocacia e sim uma boa soma de dinheiro para o conselho federal da oab. Ele alem de restringir o mercado ainda ganha honrores as custas dos bacharéis e prejudicando toda a sociedade que poderia estar usufruindo dos serviços advocatícios com preços bem menores. Lembrando ainda, que quem tem competência de aprovar e reprovar é a sociedade…Se não fosse assim esses advogados formados nos finais de semanas em todo o Brasil não seriam o que são hoje: advogados, promotores juízes e até ministros…

  117. MARIUZA GORETA MEDEIROS disse:

    Essa história de que o exame da ordem, seleciona profissionais mais qualificados, é história para boi dormir, na verdade o exame da ordem alimenta faculdades e cursinhos e profissionais que se se dedicam exclusivamente aos procedimentos, além é claro da própria fator OAB.
    Nãos se questiona o legalidade do exame, é legal, somente quem é qualificado e tiver dinheiro para pagar os cursinhos e as inscrições devem exercer a profissão.
    O próprio mercado seleciona os profissionais, a maioria dos que passam na prova, acabam fazendo concursos e não exercem a profissão e os profissionais da área jurídica continuam reclamando que os processos são demorados e que não existem profissionais suficientes para dar conta das demandas.
    Na verdade seria mais eficiente se criassem uma carreira jurídica na qual se iniciasse como bacharel e quando se passasse na OAB fosse promovido para ADVOGADO aproveitavas-se assim um potencial de jovens e suas energias, além de obviamente creditar-se a estes o mérito pela dedicação e a graduação na área do direito e o mercado seleciona quem pode ou não ficar no mercado por suas habilidades técnicas e jurídicas, além de uma sólida rede de relacionamentos.

  118. Marcos Rezende disse:

    O exame da ordem não seleciona profissionais mais qualificados, isso é conversa fiada. Há uma máquina de dinheiro ligada a todo vapor na qual gira todo o mercado do exame.
    O exame não mede de forma nenhuma a atividade profissional, e eu sou advogado e passei na primeira vez que fiz o exame e sinceramente só me resta das risada de como a população brasileira é medíocre em não conseguir enxergar que o exame é só uma forma legalizada de angariação de dinheiro. Sem dúvidas o próprio mercado seleciona os profissionais. O que deveria existir é exatamente uma residência jurídica, para que se aperfeiçoe a prática profissional e qualifique o bacharel para o mercado jurídico.

  119. Eduardo Salomão disse:

    Acredito que com um tema tão apreciado por advogados e bacharéis em direito, devêssemos rever o conceito de cobrança das provas, e o bacharel poder ter pontuação do enade. Pois essa prova além de avaliar o conceito da universidade, também avalia o aluno! E tenho certeza que a grande maioria que tem capacidade de elevar a nota da sua universidade também terá capacidade de elevar sua nota como acadêmico E futuro advogado! Tenho certeza que assim como eu conheço vários colegas que passaram na OAB e não advogam porquê não sabem quais ferramentas irão usar na hora de iniciar uma ação, varias outras pessoas nesse universo de “OAB” conhecem pessoas assim! Então vamos parar de dizer que a prova do exame de ordem qualifica ou até mesmo diz qual o profissional vai poder advogar ou não, isso é “Conversa para boi dormir”. Essa prova é para candidato decorar e fazer a prova, depois não sabe nem para onde vai. A prova disso é que uma aluna do primeiro semestre de Direito, sem nenhum parente advogado, passou na OAB. Ela ainda disse que estudou pelos exames antigos que ela viu na internet decorou e foi fazer a prova! Ficou surpresa por ter passado! Nem preciso passar por 10 semestre de faculdade para poder passar em uma prova dessa, basta decorar! Isso é um absurdo e desmerece a própria OAB!

  120. NOEL FRANCISCO DA SILVA disse:

    E o projeto que dispõe sobre exame de ordem( fim, modificação, dinamização, estágio, isenção de componentes das carreiras jurídicas), que fim levou? hoje, só se fala em corrupção, lava jato, mensalão, CPIs e mais CPIs, etc…etc…etc.. porém, a respeito da situação exame da ordem, não se fala nada, muito menos se faz, só comentários e ataques….francamente, onde estão os defensores dos bacharéis injustiçados? cujo número aumenta consideravelmente a cada exame realizado? até quando vai perdurar tal situação?

  121. Paulo Cezar disse:

    A obrigatoriedade de avaliação, deveria está presente em todos os cursos de graduação, sou a favor que o exame continue, sendo extremamente contra a extinção do mesmo, agora em relação ao valor, deveria ter uma outra forma de se pedir isenção, a não ser pelo CADÚNICO do governo, ou seja, se não for habilitado como isento e provar renda até um valor estimado, o aluno ou bacharel poderia ter um valor considerável da taxa de inscrição.

  122. SIDNEI SALVADOR DE MELO disse:

    CONCORDO COM TODASAS SUAS PALAVRAS E SABEDORIA SOBRE O ASSUNTO EM EPÍGRAFE, ME FOMEI EM BACHAREL EM DIREITO EM 2006 COM 55 ANOS DE IDADE FIZ VÁRIOS EXAMES E CONSIDEREI UM ABSURDO AS PERGUNTAS, PARECEM QUE FAZEM DE PROPÓSITOS PERGUNTAS QUE POSSAM TER DUPLA INTERPRETAÇÃO E COM ISTO CONFUDE MAIS AS NOSSAS CABEÇAS. ACHO TAMBÉM QUE ESTE EXAME É UM EXAME TOTALMENTE CAÇA NÍQUEI PRA ONDE VAI ESTES 660,OO REAIS TODOS OS ANOS, A TAXA ANUAL JÁ É UM ABSURDO DE CARA A MAIS CARA DE TODAS AS CATEGORIAS DO BRASIL. ACHO TAMBÉM QUE DEVERIA TER UMA AUDITORIA INTERNA E UMA CPI PARA VERIFICAÇÃO O DESTINO DESTE DINHEIRÃO ARRECADADO.

  123. Jário disse:

    Este Exame é ridículo e mais ridículo ainda é avaliar a FACULDADE através do resultado deste.
    Seria melhor acabarmos com todas as Faculdades de Direito e deixarmos apenas os cursinhos preparatórios, de alguns meses, para habilitarmos os bacharéis. Qual o sentido de passar 5 anos, no mínimo, numa Faculdade se em poucos meses num cursinho, poderei ser habilitado a passar no exame.

  124. William do Amaral disse:

    Sugiro que a OAB aplique anualmente o exame de Ordem para quem já tem o registro também para demonstrar a população e aos reprovados que quem passou realmente é capacitado e se mantem capacitado. Ou quem já passou tem medo? Sugiro a quem acha que criar gargalos/reserva de mercado não dá lucro, compare o salário inicial das maiorias dos cargos oferecidos a bacharéis de direito nos concursos públicos em relação ao salário ofertado a bacharéis de outras profissões.

  125. Já que no Brasil tudo é moral, porque não extinguir o exame da OAB, mais que imoral é inconstitucional, ai sim viveremos verdadeira democracia no âmbito no judiciario.

  126. BOA NOITE

    SOU BACHAREL EM DIREITO E EMBORA RESPEITE QUEM CONCORDA COM O EXAME, É DEPLORÁVEL VERMOS UMA PARCELA DE EX-BACHARÉIS, QUE PASSARAM NO EXAME DA OAB TORNAREM-SE FAVORÁVEIS À SUA EXISTÊNCIA, COM ISTO MASSACRANDO AQUELES QUE NÃO GOZARAM DA MESMA SORTE, OU MELHOR DIZENDO, DAS MESMAS OPORTUNIDADES DE FREQUENTAREM CURSINHOS, POSSUIREM ACESSO A BOM MATERIAL DIDÁTICO, E PRINCIPALMENTE, POSSUIR TEMPO DE ESTUDAR APÓS UM DIA INTEIRO DE MUITO TRABALHO E CASAÇO, QUASE SEM EPERANÇAS…
    PENSO QUE TALVEZ A DESIGUALDADE SÓCIO-FINANCEIRA SEJA UM DOS PRINCIPAIS MOTIVOS PARA GERAR O BRUTAL INDICE DE REPROVAÇÕES CRESCENTE A CADA ANO. E FATALMENTE, COM VISTAS A TODO ESTE CENÁRIO DA REALIDADE BRASILEIRA, A OAB APROVEITA-SE DA FRAGILIDADE DA MASSA DE BACHARÉIS E APLICA ENTÃO UM EXAME CADA VEZ MAIS COMPLEXO COM TÃO SOMENTE DOIS INTUITOS, ELETIZAR A PROFISSÃO DE ADVOGADO A UM PATAMAR ONDE APENAS SERÃO ADVOGADOS AQUELES QUE POSSUIREM MEIOS ECONÔMICOS PARA TANTO E PRINCIPALMENTE, ENRIQUECER ILICITAMENTE ÀS CUSTAS DE QUEM GASTOU O QUE NÃO PODIA PARA ESTUDAR NA FÁBRICA DE SONHOS CHAMADA CURSO DE DIREITO. AO QUAL CABERIA TÃO SOMENTE O AO MEC SE MANISFESTAR E CUMPRIR SEU PAPEL DE FISCALIZADOR NA QUALIDADE DO ENSINO EM SUAS ESFERAS.
    POIS SE ISTO OCORRESSE, NÃO EXISTIRIA O ASSOMBROSO EXAME DA ORDEM DOS ADVOGDOS DO BRASIL E A DIGNIDADE E CERTEZA DO BACHARÉL EM DIREITO SERIAM O ALICERCE PARA UMA SOCIEDADE IGUALITÁRIA E MELHOR PARA TODOS.

  127. Klaus Idalgo disse:

    O exame da “ordem” , entidade que hoje muito tem a ver com as seitas misticas e especiais que desenvolvem seres humanos dotados de “espírito superior”, em verdade , surgiu como OAB, para defender aqueles que possuiam formação acadêmica completa e diplomada, como os detentores do SABER científico com curso superior , capaz de habilita-los ao exercício da advocacia. Lutavam os bacharéis com esta sua “ordem” , nestes primórdios, com os chamados “rábulas”, especialistas em “se fazer passar por advogados”. A evolução disto, foi a de que, ao invés da “ordem” atacar a falta de ética daqueles que se faziam passar por advogados impedindo-os de advogar, para , criar uma instância de “julgamento”, à parte da lei civil e penal, como uma pena “ética” ainda sobre aqueles que mesmo com o curso superior , e legalmente habilitados,tenham agido de modo não ético, no entender de um colegiado formado por julgadores que nao são julgadores, mas profissionais iguais ao “acusado”. Aliada a esta função quase messiânica que hoje possui a OAB, esta agora faz um exame comparável aos exames das vagas limitadas aos cargos públicos de Juiz , Promotor, Delegado, etc, isto, para o simples exercício da profissão, depois do bacharel estar na posse do seu diploma de conclusão de todo o ensino acadêmico. De fato a justificativa da existência do exame é “a fraca formação nas faculdades de Direito” , em cujos professores são todos, dos quadros da OAB. A justificativa , enfim, nos mostra que de fato é verdade a fraca formação dos cursos de Direito, mas ela é tão fraca, mas tão fraca, tão medíocre e minguada, que os advogados de dentro de sua “organização” ao invés de lutarem para o aperfeiçoamento dos currículos universitários das faculdades de Direito, criam UM exame que resolve tudo isto. Esta, sem dúvida, para quem tem um mínimo de formação acadêmica eficaz, é a maior prova da falta de qualidade nesta formação, que convence esta maioria de advogados , a implementar este exame. Mas já esteve pior, antes dos rábulas, éramos índios. Aos poucos vamos indo.

  128. Jacy Santos disse:

    Sou contra o exame da OAB, não porque ainda não tirei minha licença, mas porque vejo no exame uma forma de roubar alunos e bacharéis três vezes ao ano, nada que a entidade diga justifica um valor tao alto pra o exame. A OAB diz que o exame serve para selecionar o bom profissional, mentira, um bom profissional antes de mais nada se conhece pelo caráter, eu posso estudar e passar no exame, mas nada garante que eu seja um bom profissional, e se meu caráter for distorcido, o exame não garante que eu não vá enganar meus clientes, que eu não vá me aliar a bandidos e que eu não vá entrar em presídios com drogas e com armas como tem acontecido por ai. O exame só serve pra encher os cofres da OAB e nada mais, a OAB na verdade se tornou uma grande quadrilha com legitimidade para roubar.

  129. clayton disse:

    Sou contra o exame da OAB.

  130. Sou contra o exame de ordem, sou estudante do curso Téc. em Segurança do trabalho, pretendo cursa direito, entretanto sou contra o exame, primeiro o exame de ordem diz o seguinte, a faculdade formou incapazes ??? eu entendo que quem se forma é capaz sim de advogar, ou não é ? uma faculdade é uma instituição credenciada pelo MEC ou não é ? int como assim as faculdades estão formando pessoas incapazes ? Se falar que se é um exame para medir a capacidade dos formandos, pq não é aplicada pelo Mec ? aonde que sindicato dita como deve ser. E por ultimo como jah foi exaustamente citado pq Medicos engenheiros e outros não são submetidos a exames de ordem tbm ? são dois pesos e duas medidas ? O STJ esta repreto de incompetentes, esta claro e evidente um ato inconstitucional; Não é preciso ser entendido para se falar que essa droga de prova é inconstitucional. E oque o STF tomou como atitude ? NADA. PAis Falido Jogado nas mãos de BAndidos para onde vc olha tem bandido, claro n poderia deixar de citar que a OAB esta enchendo os seus cofres com muitos reais.

  131. Leandro Silva disse:

    Passei no exame da OAB no primeiro periodo do curso de direito, apenas ajudei minha esposa a estudar e ela tbm passou.

  132. Que loucura é a vida! No começo do ano, sim!!, muitos apostariam que o Exame seria extinto, porém, com a perda crescente e irreversível do poder do seu maior inimigo, o deputado Cunha, hoje ninguém apostaria mais no fim do Exame, (nem o autor deste blog!!). Alguém discorda de mim?

  133. Ricardo disse:

    Vejo muitos discursos demagogos de gente falando: “sou a favor do exame para que não proliferem profissionais ruiins”…ahhh..e quem disse que esse exame tem essa capacidade de diferenciar o melhor do pior? Vejo advogados copiando e colando em suas tarefas por exemplo, parem com essa demagogia! Eu sou a favor do exame, mas que seja mais justo, como por exemplo um valor mais acessível aos que não tem tanta condição de pagar e que aquele que foi aprovado na primeira fase, não precisasse mais faze-la caso não seja aprovado na segunda fase quantas vezes fosse necessária!

  134. jairinho disse:

    Para nós que somos cientistas do direito, não podemos nos influenciar por emoções e sim pela ordem jurídica. por esse motivo, repudio a forma que é feito a a prova do exame de ordem, feito com o intuito de reprovar e não de avaliar o examinado, nos fazendo acreditar em reserva de mercado praticado pela OAB, isso é temeroso, mais temos onde recorrer:
    corte internacional dos direitos humanos e outros tribunais INTERNACIONAIS se for o caso, pois reserva mercado por parte da OAB é discriminatório, pois ao pé da letra, cabe as instituições de educação preparar o profissional para o mercado e não seus conselhos como faz o da ordem dos advogados.
    obs: da uma briga boa…

  135. CARLOS HENRIQUE disse:

    NA MINHA OPINIÃO ESSE NÃO É MEIOS VALIDO A TESTAR CAPACIDADE DE EXERCER ADVOCACIA, UMA VEZ TER, ADVOGADOS QUE SE PRESTASSEM O EXAME DE ORDEM NA DATA DE HOJE NÃO CONSEGUIRIA PASSAR NO EXAME, DEVERIA TER UM ESTAGIO MONITORADO E UMA AVALIAÇÃO EM MATÉRIA ESPECIFICA DE ATUAÇÃO , POR PROFESSORES DENTRO DA OAB, E ASSIM AVALIAREM COM NOTAS SE O BACHAREL ESTA APTO A EXERCER ADVOCACIA.

  136. Leonardo disse:

    JORNAL HOJE – sábado 02 de abril de 2016
    Assistam o Vídeo:
    http://globoplay.globo.com/v/4929165/
    MEC anuncia que primeiro exame de medicina deve ocorrer em agosto
    Aloizio Mercadante (MINISTRO DA EDUCAÇÃO), diz na entrevista:
    “É UMA AVALIAÇÃO QUE PERMITE VOCÊ CORRIGIR AO LONGO DO EXERCÍCIO DA FORMAÇÃO, NÃO É DEPOIS QUE ELE CONCLUIU A FORMAÇÃO VOCÊ FAZ UMA AVALIAÇÃO E VOCÊ NÃO TEM COMO VOLTAR PRA TRÁS”
    A reação dos estudantes de Medicina foi a pior possível, exatamente assim como se sente um Bacharel em Direito que não pode exercer a profissão de Advogado enquanto não realizar o Exame da Ordem.
    Ora, se o Ministro Aloizio Mercadante acha que o primeiro exame de Medicina: “É UMA AVALIAÇÃO QUE PERMITE VOCÊ CORRIGIR AO LONGO DO EXERCÍCIO DA FORMAÇÃO, NÃO É DEPOIS QUE ELE CONCLUIU A FORMAÇÃO VOCÊ FAZ UMA AVALIAÇÃO E VOCÊ NÃO TEM COMO VOLTAR PRA TRÁS” então porque não fazer exatamente igual com a avaliação em Direito? Por que só em Direito deve ser diferente e a única profissão a adotar essa forma para ser Advogado?
    Se fosse o caso, a avaliação na área de Direito deveria ser feito durante o período do curso com acompanhamento de um profissional no próprio estágio do ESCRITÓRIO MODELO conforme todos são obrigados a fazer e que é exigência na grade curricular, e não depois do fim do curso prejudicando e impedindo o Advogado de exercer a profissão.
    É uma grande mentira dizer que o Exame da Ordem exige conhecimentos mínimos na prova, mas sim pegadinhas e inconsistências para justamente fazer o Bacharel reprovar. Tanto é que o Exame exige 2 (duas) etapas. Outra mentira é dizer que o Exame serve para “proteger a sociedade.” Isso deveria servir para Médicos e Engenheiros que lidam diretamente com a vida das pessoas.
    Não tem motivos e argumentos para continuidade desse Exame, temos que nos unir cada vez mais e acabar imediatamente com essa mentira que só prejudica o Advogado que quer trabalhar.
    ADVOGADO sim, pois o Bacharel que estuda 5 anos, faz estágio supervisionado e recebe o Diploma da Universidade dever ser tratado como ADVOGADO!!
    FIM DO EXAME DA ORDEM JÁ!! CHEGA DE MENTIRAS!!

  137. ereni ursino da silva disse:

    eu concordo que um estudante de direito que dedica 5 anos sofrido na faculdade ja esta apto sim para advogar, esse exame e um afronto um modo fácil de arrecadar dinheiro,não e um exame que vai provar a capacidade e competência do profissional e sim sua dedicação e seu amor a profissão, agora vai se tornar mais difícil pegar essa carteira se a banca examinadora cespe for liderar o comando, os estamos fritos , esse exame da ordem esta igual o pt só corrupção e mentiras..!!

  138. Luís Gustavo disse:

    Depois de se prestar 16 (dezesseis) vezes o exame de ordem, é óbvio que tudo o que disserem já estarei ciente e já ter-se-á sido dito e passado. Ansiedade, culpa, nervosismo, pessimismo, decepção, injustiça, calúnias, afrontas, zombações, risos, falta de inépcia, falta de aptidão, etc dentre outros adjetivos e “qualidades” alegadas a nós “fracassados”, “incompetentes”, ïnaptos”, e muitas outras “qualidades” apontadas… O EXAME DE ORDEM NÃO PROVA QUE O(A) APROVADO(A) VENCERÁ!!! Todos, absolutamente, todos(a) os(as) advogados(as) são unânimes em afirmar que não são bons/boas profissionais graças à prova da OAB, mas sim, em suas atividades laborais diárias, à sua experiência adquirida ao longo dos anos na prática.

    Nenhuma prova os(as) fez expert na profissão. Mande um mestre ou doutor em Direito Civil formular e fazer uma prova de Direito do Trabalho mas tendo que acertar nota máxima, sem errar nada… ou então um mestre ou doutor em Direito Tributário formular e fazer prova de Filosofia do Direito. Quem sabe um profissional atuante em apenas uma área jurídica faça a prova da OAB EXCETO em sua própria área de atuação e acerte 100%. Uma pessoa perita numa área vai avaliar apenas os examinandos daquela área, pois por não ser perito(a) em outra área pode vir a não saber todo o conteúdo outrora lhe apresentado.

    Eu ferrei toda a minha vida. Simplesmente depois de formado fiquei estagnado. Todos os estudantes de Direito estão à minha frente, têm prioridade, podem trabalhar normalmente ainda que limitados e amparados por advogado(a) com carteira de advogado(a). Eu tive um enorme prejuízo! E o impressionante é que, para a OAB, minhas reclamações não têm fundamente e razão de ser assim como não reconhecem prejuízo algum meu. Dizem, quando se manifestam, “Deveria estudar mais”, “Quem manda ser incompetente?”.

    Os defensores do exame deveriam entender a situação E SE COLOCAREM NO LUGAR DOS NÃO APROVADOS NAS PROVAS para então falarem a respeito. QUEM TEM QUE ESCOLHER NÃO ADVOGAR SOU EU! NÓS, OS NÃO APROVADOS NAS PROVAS DA OAB, INDEPENDENTEMENTE DE TERMOS FEITO ESTÁGIOS, PETIÇÕES INICIAIS E RECURSAIS, AUDIÊNCIAS, ATENDIMENTO A CLIENTES, ORIENTAÇÕES JURÍDICAS, ETC É QUE TEMOS QUE ESCOLHER SE IREMOS OU NÃO ADVOGAR.

    Nunca duas provas o poderiam me dizer que eu sou inapto, incapaz, incompetente… Os clientes, a vida prática profissional, os juízes, os colegas, a família, a minha própria decisão deveriam me dizer “Você não é capaz para o Direito”. Não são duas provas que têm que me barrar. Se eu não passo numa prova às vezes por questão de 1 ponto então minha vida toda é medida. Às vezes alguém passa exatamente acertando a metade da prova na primeira fase e exatamente com nota 6 na segunda fase e é considerado(a) digno, apto, capaz, competente, conhecedor(a) do direito, aprovado pela OAB e pode advogar tranquilamente sem impedimento algum, ainda que, se (re)fizesse a prova novamente, não obtivesse aprovação. O não aprovado no caso de refazer a prova e acertar mais do que a metade fica punido.

    O Código de Ética pode, inclusive, excluir o mau/mal profissional. Então pra quê o reavaliar os bachareis? Logo a Faculdade e o estágio NÃO servem para a aptidão profissional. Então somente nos inscrevamos nos cursos jurídicos e façamos as provas da OAB. Os demais requisitos para se formar apenas apresentemos na faculdade para que se contem as horas necessárias para concluir a graduação!

  139. Luís Gustavo disse:

    Vocês apoiadores e defensores do exame de ordem deveriam colocar-se no lugar dos farão os exames e, principalmente, dos não aprovados para então terem capacidade para julgarem melhor a situação dos tais. Também deveriam levar para si a situação desgastante e incômoda que é ter que ser aprovado por duas provas somente para exercer a profissão. Se se colocasse no lugar desses, se pensassem como um não aprovado, se sentissem o mesmo sentimento talvez conseguiriam falar a mesma língua.

    É fácil para quem já é advogado(a) dizer que precisa ter provas, pois quanto mais pessoas não passarem melhor será para esses(as). Como não é você que está numa situação indefinida é muito fácil dizer ser necessária tais provas. Quando o STF foi julgar a necessidade de ter que prestar os exames, se inconstitucional ou constitucional, não houve um bacharel presente para demonstrar outra opinião, defender o oposto, assistir à sessão plenária, manifestar-se.

    Prova da OAB não prova nada. Quer dizer que se uma pessoa for aprovada com nota 40 na primeira fase e nota 6 na segunda é advogado(a) apto, capaz, competente, conhecedor(a) de todo o direito ainda que NUNCA mais em se refazendo a prova venha a ser aprovado(a). Enquanto que outro(a), em fazendo o exame e não passando por 1 ponto que seja, se vier a refazer a prova e passar fica punido, penalizado, pois se apenas em dois momentos é que se prova a capacidade para toda a vida de um profissional, independentemente se esse(a) viesse a ser reprovado(a) caso fizesse novas provas, também em dois momentos ou um se prova toda a vida do(a) reprovado(a) ainda que viesse a refazer provas vindo a ser aprovado(a).

    Provas da OAB – NÃO! Elas não provam nada. Nenhum(a) advogado(a) consultado(a) em hipótese alguma disse que tem sucesso, é bom/boa profissional por causa das provas da OAB. Suas capacidades e competências vieram do trabalho diário na prática! Todos(as) foram unânimes em afirmar isso! Ninguém teve mérito graças à prova da OAB mas sim graças às suas experiências diárias adquiridas trabalhando na prática advocatícia!

    Só quem é reprovado, ainda que tenha estagiado, feito petições iniciais e recursais, atendido a diversos clientes, feito diversas audiências, protocolado documentos, etc, enfim, que trabalhou na prática pode dizer se quer advogar ou não. Nunca duas provas poderiam dizer pra alguém “você não pode trabalhar”. Aí vem os defensores do exame pra dizer “nem passou no exame, quer advogar?” Então provem que os exames da OAB são o que definem o(a) profissional competente! Se não é uma prova ou duas provas que provarão isso, que se deem carteira de advogado(a) a todos os que requerem para que advoguem; os que não quiserem, que não requeiram.

    Você defensor do exame da OAB, coloque-se como um não aprovado PELAS PROVAS e todo o restante, ou seja, 99% – faculdade e tudo o que é necessário para se formar – estão concluídos, inclusive sua vida como estagiário(a) e tudo o que tiver vindo à mão juridicamente falando cumpridos. Aí vem um órgão dizendo que você só poderá continuar trabalhando, isto é, só será considerado válido, apto, capaz, competente, conhecedor do direito, etc, se passar nas provas deles, independentemente se você tem interesse em advogar, se foi aluno(a) que fez faculdade de direito pensando na advocacia, se participou de audiências, etc, etc, etc… e vê outro(a) colega de qualquer jeito, que não se interessa pela advocacia, que sequer trabalhou em escritório, etc… e o vê trabalhando porque, pela cabeça da OAB, é apto(a), capaz, competente, somente por ter passado nos exames?

    De-se a carteira a todos formados em Direito que queiram advogar para que o mercado, os clientes, os processos, os juízes, os colegas, os patrões, a vida prática diária, a sociedade, a família e VOCÊ/EU próprio decida > ADVOGAR / NÃO ADVOGAR. Nunca duas provas poderiam travar… Quem não quer advogar não requeira sua carteira. Ter carteira por ter, então pra quê?

    Se ocorrer dum não aprovado nas provas orientar juridicamente as pessoas, fazer petições, abrir escritório e juntamente com advogados com carteira trabalhar como se fosse advogado sem, no entanto, participar com assinatura, já que não é inscrito na OAB como advogado(a), então não pode? Se não praticar atos externos – dando a inscritos com carteira tal tarefa – então é incapaz, inapto, desconhecedor, inválido?

  140. Luís Gustavo disse:

    Só quem passa por uma humilhação, que sofre alguma coisa pode dizer com clareza o real sentimento daquilo que está sentindo. Quem apenas diz “nem consegue passar na OAB vai querer falar alguma coisa?” e defende o exame de ordem sem olhar e pensar na situação ruim daqueles que não são aprovados não pode provar nada. Este sim, que não experimenta a mesma situação, que não se põe no mesmo luga, é também, despreparado, inapto, incapaz, desconhecedor do fato. Se coloque na mesma situação e, então, compreenderá!

    Quem se ferrou e se deu mal, teve que, obrigatoriamente parar, desistir, fazer outra coisa, não foram os defensores do exame, senão teriam outra posição. Nem ao menos querer que nos manifestemos têm interesse e fazem até ameaças… quem já está advogando quer mais que haja provas e cada vez mais difíceis… As provas são feitas por mestres e doutores, homens e mulheres com larga experiência jurídica… é óbvio que sabem mais do que os bacharéis. É óbvio também, que podem colocar assuntos que sabem não ser o forte de muitos… Será que um mestre/doutor da área cível tiraria nota máxima na prova da OAB sem constar a sua área específica? Ou da área tributária noutra que não a sua? Em não tirando, seria justo tirar-lhe a carteira e considerá-lo(a) inapto(a)? Já que não passou na OAB, não pode advogar…

    Se alguém com carteira escolhe NÃO ADVOGAR, é justo?
    Se alguém SEM carteira é obrigado a não advogar, é justo?
    Se alguém com carteira e bom profissional é punido, foi justo?
    Se alguém com carteira mas mau profissional é punido, há justiça?
    Se alguém sem carteira (não se sabe se bom ou mau profissional já que não pode comprovar trabalhando de fato) é punido justamente por não poder trabalhar, há justiça nisso?

  141. Luís Gustavo disse:

    Você que foi aprovado na primeira tentativa é feliz! Você que foi aprovado independentemente se foi bom ou mau aluno, se “colava” nas provas ou não, se colou no exame de ordem ou não, se quis ou não quis advogar; bem, para você que advoga realmente acha que mereceu ter que passar por duas provas? Será que a faculdade não dá pra termos uma ideia? Você conhece alguém que é Advogado(a) mas que não teve necessariamente que passar exatamente pelas provas? Antes as provas eram feitas na própria Instituição de Ensino Superior, sem maiores problemas, sem dificuldades para passar… será que todos que aproveitaram essa chance realmente passariam no exame? Não se quer, obviamente, menosprezar e desmerecer os que passaram, pois muitos(as) desses(as) realmente passaram porque sabiam. Mas todos?
    E hoje em dia, com as provas, será que todos(as) os(as) aprovados(as) realmente obtém aprovação por saberem absolutamente? Não se quer, repita-se, não se quer menosprezar os(as) tais… aliás, menosprezados(as) é o que os “reprovados” são. Pessoas algumas tratam assim, não todos.
    Qual é então o sentido de dizerem para não se preocupar e continuar tentando até conseguir? Ter número de inscrição conta e muito no futuro e também no presente. Ter número de inscrição, e consequentemente a carteira, é muito importante para, por exemplo, num concurso em que se pede a carteira, aquele(a) que não a tem já está fora. É óbvio que se quer dolosamente causar prejuízo a outrem. Outrem = os não aprovados nas provas.
    Agora eles inventam de, em caso de anulação de questões, ninguém soma os pontos referentes à anulação. Ou seja, alguém fica com 39 pontos e anula-se uma questão, a pessoa permanece com 39 pontos. Nota-se claramente que o objetivo da OAB é NÃO TER MAIS ADVOGADOS EM SEUS QUADROS DE INSCRITOS. Nota-se também que, tendo mais advogados, a receita financeira da OAB aumenta, ou não? (Está certo ou errado?) E, se aumenta a receita, notoriamente ter-se-iam que reduzir o valor da anuidade. (Ou não? Está certo ou errado?)
    Ora, se ser advogado é prestar serviços às pessoas, informando-as a respeito de seus direitos, peticionando quando necessário, é justo, então, que possa haver mais profissionais, entendedores jurídicos, que gostam de advogar, advogando…
    Bom, para terminar logo, pois ainda teria muita coisa pra escrever expondo outros pontos de vista que a OAB e o STF não levaram em consideração para exigir que se faça o exame de ordem, pois acho que eles como entes que são deveriam ter levado em consideração todos os pontos controvertidos e opostos para, então, ter uma decisão mais concreta em que todo mundo concordaria e não apenas exigir que se façam exames…
    Para os que mantém suas posições dizendo ter que fazer e pronto, justificando com opiniões finais sem levarem em consideração outras que, inclusive, não conhecem, leiam e tentem ver como se fossem vocês escrevendo… aqui é uma maneira de desabafar e expor para muitos(as) coisas que não são ditas…

    • Cristiano disse:

      Este exame deve ser abolido, é um meio da OAB, editoras, livrarias e cursinhos ganharem dinheiro. Esta máfia precisa ser impedida. Pura reserva de mercado e enriquecimento desonesto. Algumas pessoas disseram que quem não passa é porque não estuda, não é bem assim, essa prova não foi feita para avaliar o aluno, mas sim para reprová-lo e dar mais dinheiro a essa máfia. Eu me recuso a pagar novamente 240 reais para fazer este exame maldito. Basta de ser explorado por esse sindicato! Passamos cinco anos estudando e no fim somos impedidos de exercer nossa profissão. Onde está a liberdade, o cumprimento do preceito da livre inciativa propostos pela Constituição Federal? Por que o MEC não nos avalia juntamente com um estágio na faculdade? Até quando seremos explorados por essa entidade, que não sabemos nem se é pública porque não declara sua arrecadação nem privada porque não paga impostos? Fica claro que o objetivo deste exame é apenas encher os bolsos desta máfia e não avaliar o aluno. Pelo fim do exame da OAB!

  142. Concordo com o exame da OAB desde que todos os cursos de Graduação tenham a prova para poderem exercer a profissão. Isso é inconstitucional porqu além de travar o bacharel é uma enorme fonte de renda para os cofres da OAB por isso que não acabam a propósito a maioria dos presidentes da OAB não fizeram exame de ordem na época não era OBRIGATÓRIO……

  143. Leda schwingel disse:

    Preciso trabalhar ,estou formada a 4 anos ,não concordo com a prova , fiquei 5anos estudando e hoje não posso trabalhar,para onde vai este dinheiro das inscrições.precisamos lutar p ara terminar ,está obrigação de fazer a prova.Porque só o direito..

  144. Newton Carvalho disse:

    Advocacia é uma atividade pública por delegação do Estado. Por esse motivo o advogado aufere “honorários”. A responsabilidade quanto ao patrimônio das pessoas (leia-se liberdade física, patrimônio material e imaterial) é imenso e deve ser protegido por um mínimo de qualidade, compatível com a delegação que o Estado concede. Eu fiz curso de direito numa faculdade particular. Ao final fiz o exame, passei e não precisei ingressar em cursinho nenhum para isso. Penso que todas as atividades profissionais que digam respeito à integridade das pessoas e seus patrimônios devem ser precedidas de um exame profissional. Esse “nhém-nhém-nhém” de ser contra o exame só vem de quem ainda não está preparado para o exercício da profissão e passou os anos de faculdade colando de colegas e de cópias reduzidas no xerox (nas vésperas das provas as copiadoras ficam lotadas). É uma vergonha que um estudante de direito não consiga fazer uma provinha objetiva básica e uma petição. É o mesmo que um cirurgião não acertar a fazer uma sutura básica. Para quem perde seu patrimônio (ou até a vida, no caso de ações no âmbito da saúde) na mão de um advogado despreparado, não há segunda chance. O tempo que os defensores da extinção do exame de ordem perdem protestando deveriam aproveitar para sentar e estudar. Não conseguem enfrentar uma coisinha de um exame de ordem e vão querer enfrentar juízes e membros do ministério público concursados? Para quê? Para passar vergonha?

  145. ZeneL PibraL disse:

    Formei-me pela Faculdade Católica de Direito de Santos (SP) em 1995. Nunca quis advogar. Portanto, nunca fiz este questionável “exame”. Por meio de concurso público, ingressei, em 1996, na Justiça Federal de São Paulo (SP) e, em novembro de 2016, completarei – se Deus quiser – 20 (vinte) anos de serviço público! Meu 1º e único emprego até hoje! Muito trabalho? Sim! Salários altíssimos? Não! Mas sempre fui uma pessoa ajuizada. Comprei minha casa, meu carro e demais bens com o suor do meu rosto!!!… Exame da ordem?… Quem sabe: até me aposentar já terá sido extinto e, assim, se quiser, poderei advogar tranquilamente…

    Tchau!…

    Pronto, F A L E I ! ! ! ! . . .

  146. Luís Gustavo disse:

    Vocês que defendem o Exame é porque não estão ou estiveram na mesma situação. Eu também fiz uma boa Faculdade particular e cumpri ipsis literis todos os requisitos até mesmo com horas a mais do que necessitava e estagiei em um escritório profissional com um advogado muito bom e nunca obtive aprovação no exame… me mudei de Estado – do RJ para MG – e fui obrigado a parar de “mexer” com área jurídica e OAB principalmente. Tive que trabalhar noutras coisas por necessidade… Ficar defendendo o exame sem entrar no mérito de inúmeras questões tais como as narradas por muitos aqui desta página. Não são as provas que provarão que alguém – advogado(a) – irá ter sucesso mas sim a vida prática é que dará experiência aos profissionais!
    Tenho muitíssimos outros argumentos expostos aqui e em outros lugares e repito que não é exame da OAB que faz com que alguém seja bom profissional. Os apoiadores se estivessem na mesma situação dos não aprovados e tivessem tendo prejuízos enormes atrás de prejuízos, talvez entenderiam a situação do exame de ordem e daqueles que são contra! Só estando na mesma situação para saber… é fácil falar um monte de palavras.
    Como todo profissional, é dever do advogado “entrar” na mente do cliente (entenda-se) para então compreender o que este está sentindo e passando!

  147. Zenel Pibral disse:

    Guardem suas energias para algo maior, como um concurso público, por exemplo. O exame da ordem, além de injusto, te obriga, se aprovado, a pagar altíssimas anualidades! Além disso tudo, você acha que vai ganhar dinheiro advogando “de primeira”? Esqueça! Conheço centenas de advogados prestando concurso para cargos de 2º grau! Fazer Direito, hoje, é como se formar em História, Geografia, Jornalismo, Biologia ou Matemática: é desemprego, na certa! No futuro, fazer Direito será como fazer um “cursinho” qualquer, do tipo: inglês, informática, etc…

  148. Luís Gustavo disse:

    Para quem diz ser necessário fazer as provas do exame de ordem para poder exercer a advocacia é simples: é só se perguntar se gostaria de estar na mesma situação… se a resposta for sim, então não há nada mais a ser feito. Agora, se a resposta for não, que não gostaria de estar na mesma situação, então certamente ter-se-á um outro olhar!

  149. Zumbi disse:

    Para elegância a prova da (OAB) é ótimo, agora avaliar que a pessoa sabe!! kkkkkk. Somos muito contratitórios se um cidadão passa 5 anos fazendo prova de direito e consegue concluir, o pq q duas prova o mesmo não vai passar vagabundiando.. Vc fazer todo investimento para ao finar não poder exercer, é duro!! o que que a maioria pensa depois de terminar a faculdade? Ter uma vida idependente, se dèr sair da casa dos pais e finalmente ser um homem digno, rala 5 anos aí vem duas provas e joga todo o seu sonho por água baixa..
    nosso sistema de avaliação funciona com decoreba, não se a pessoa sabe mesmo. se sou um frequentador de bar, decoro uma semaninha ou duas faço a prova passo aí está resolvido, 3 dias depois me pergunta se saberei algo kkkkk.

  150. Zumbi disse:

    Me desculpem por erros de ortografia, sou estrangeiro. é português não é fácil meus amigos.

  151. Concordo com o Exame, porém, de uma outra maneira; O exame deveria ser aplicado pelo MEC, a taxa de inscrição deveria ser mais acessível, ou seja, com o custo menor, pois o valor que se cobra é muito oneroso para o estudante, sem falar da anuidade caso aprovado.

  152. Mateus Cruz disse:

    exame da oab, exame nacional da picaretagem!!!! ta mais que claro isso

  153. luciano disse:

    Isso é falcatrua PURA.Além do mais, nem mesmo o pior criminoso do País tem presunção contra si, mas os bacharéis em Direito têm. Diz a OAB que tem de nivelar o advogado para que não causem danos aos seus clientes. Pergunto: Em caso de dano é a OAB que vai pagar? É claro que NÃO, o advogado como todo o profissional vai responder judicialmente e se condenado for vai indenizar o prejuízo. E mais, ainda, se for o caso, sofrer as penalidades impostas pelo Estatuto. Para finalizar…. Os Ministros do STF são uns Burros.., incompetentes e desnivelados. Já que não prestaram o TÃO EXTRAORDINÁRIO E MILAGROSO EXAME DA ORDEM QUE DEIXA TODOS SÁBIOS,INTELIGENTES E NIVELADOS, E INCAPAZES DE CAUSAREM QUALQUER ESPÉCIE DE DANOS A ALGÚEM.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.