A compreensão dos princípios no novo CPC

0
Comentários
0
likes
0
Coment.
0
likes
shutterstock_250164271

A compreensão, interpretação e aplicação do novo ordenamento jurídico processual vai enfrentar uma legislação entrecortada por princípios e supostamente acolherá uma infinidade de possibilidades hermenêuticas.

Na ponta deste sistema de justiça, que se realiza pela especificidade do caso concreto, o novo código de processo civil vai colocar para juízes, promotores, advogados, e todos os outros operadores do Direito o desafio de uma interpretação democrática e adequada às referencias constitucionais.

A percepção desses novos sentidos processuais, no Estado Democrático de Direito, ao tempo em que não pode investir em essências, ainda hoje pontuadas pelo real sentido da lei ou da interpretação originária; também não pode decorrer da subjetividade do intérprete. Do contrário, as garantias processuais tão arduamente conquistadas, podem ser comprometidas pela discricionariedade judicial. É dizer: não se pode ler a nova ordem processual sob a ótica da legislação de 1973, mesmo considerando todas as reformas já feitas no texto, e isso por um motivo elementar: o CPC 2015 não traz mera atualização mas sim uma virada paradigmática e nesse novo campo hermenêutico, pré-juizos incompatíveis com  a democracia trarão apenas prejuízos para o exercício da jurisdição.

A necessária atualização das correntes hermenêuticas, portanto, em nosso entendimento é fundamental para o exercício da democracia e para a concretização do NCPC. Por isso, consideramos as influências da virada ontológico-linguística, a fim de se identificar limites e possibilidades para a interpretação dos recém decantados princípios processuais.

De início, afirmamos que a superação do esquema sujeito-objeto traduz a invasão da filosofia pela linguagem e resgata a facticidade no Direito, agora comprometido com a peculiaridade do caso e atrelado aos valores morais consubstanciados na carta constitucional. A percepção dessas escolhas, frequentemente apresentadas por meio de princípios e garantias, ao revés da subjetividade do intérprete, deve ser feita num contexto contemporâneo, a fim de que na identidade do caso prático incida toda a dimensão normativa consolidada pela tradição jurídico-brasileira, e não apenas convicções individuais.

Com efeito, a reintrodução dos princípios no texto constitucional e a refundação de um regime democrático, se fez pela eleição de fortes valores morais. Esta co-originalidade entre Direito e Moral, revela uma interconexão entre a comunidade política, suas escolhas, e a consequente referência hermenêutica para a interpretação dos princípios processuais reconhecidos na nova legislação.

Por essa razão, entendemos que a compreensão e aplicação de um principio processual, para muito além das convicções do homem, se faz no espaço público por meio de um constrangimento hermenêutico-epistemológico. Com linhas mais simples: não se pode admitir a criação de princípios processuais ad doc para supostamente legitimar decisões judicias ou justificar toda e qualquer interpretação. Ao contrário, a concepção de um texto processual mais aberto e entrecortado por termos vagos, tais como razoabilidade, adequação, proporcionalidade ou cooperação; ao revés de autorizarem discricionariedades, se prestam à melhor tutela do caso concreto, o que imprime, evidentemente duas consequências: os sentidos de muitos dispositivos do novo CPC só serão conhecidos diante da faticidade, pois não se pode mesmo delimitar semanticamente sua extensão sem que antes a vida reclame, pela relação jurídica afirmada em juízo, uma interpretação democrática do dispositivo.

Somente na experiência prática, teremos, por exemplo, as referências da proporcionalidade da multa, da adequação da medida ou da evidência da tutela. De outro lado, a tradição jurídico-constitucional imprime para o intérprete um horizonte hermenêutico para a compreensão de princípios já compartilhados pela comunidade política que por esse motivo, traduzem um sentido democrático das normas processuais e não devem ser afastados por percepções individuais de mundo ou leituras solipsistas do novo CPC.


Veja também:

Conheça as obras do autor (Clique aqui!)

LEIA TAMBÉM
COMENTE

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.