Alerj proíbe algemar presas durante trabalho de parto

0
Comentários
0
likes
0
Coment.
0
likes

 

cegonha1

A Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj) aprovou a proibição do uso de algemas em presas grávidas durante o trabalho de parto ou no período de recuperação após o nascimento do bebê. O projeto de lei 504/15 foi aprovado nesta quinta-feira (10/12), dia Internacional dos Direitos Humanos.

Os autores do texto são os deputados Marcelo Freixo, Flavio Serafini, Eliomar Coelho, Paulo Ramos (todos do PSol) e Dr. Julianelli (Rede). A proposta determina que eventuais situações de perigo à presa ou a terceiros devem ser controlados por meios não coercitivos.

“Através do bom debate político, a Casa entendeu que a mulher grávida não pode dar a luz algemada. Atualmente essa condição acaba atingindo a criança. A lei é óbvia, mas conserta uma realidade absurda”, explica Freixo.

Pesquisa da Fundação Oswaldo Cruz, organizada por Maria do Carmo Leal, revelou que de um universo de 200 presas grávidas, 35% delas permaneceram algemadas durante todo o trabalho de parto e apenas 2% puderam contar com um acompanhante.

Para a Defensoria do Estado do Rio de Janeiro, a utilização de algemas durante o parto, apesar de frequente, já se revela contrária ao Direito. Porém, a entidade vê como bastante positiva a aprovação de lei proibindo expressamente a prática.

Com informações da Assessoria da Alerj e Defensoria Pública do Estado do Rio de Janeiro


Veja também:

Por que o Direito precisa proteger as mulheres da violência doméstica?
OAB lança Plano que prevê isenção de mensalidade para grávidas
Veja as prováveis datas do Exame da OAB em 2016
Tolices de professor: o risco da docência é se apaixonar pela própria voz

Conheça as obras do autor (Clique aqui!)

LEIA TAMBÉM
COMENTE

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.