Concurso: Ferramenta mental em vez de macete

0
Comentários
0
likes
0
Coment.
0
likes

 

6865406105_0d5af24f3f_z

Muitos alunos de inteligência acima da média costumam ser mal sucedidos em concursos. Para eles, o uso da memória de curta duração acaba sendo uma armadilha. Basta que prestem atenção à aula durante cinco minutos para apresentarem o melhor trabalho da turma. Mas, dois dias depois, não sabem mais nada do que foi estudado.

Em geral, esses alunos usam macetes. É o caso, por exemplo, da sigla LIMPE, conhecida no meio jurídico. Ela serve para memorizarmos os princípios constitucionais da legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência (observe as letras iniciais desses princípios, que formam LIMPE).

O equívoco de muitos alunos é ir direto à sigla, isto é, ao macete, sem antes passar pelo contexto do que deve ser aprendido. Alguns dias após, talvez você não consiga conceituar os princípios memorizados. Mais alguns dias, e a até nominação deles começa a ser esquecida, embora a sigla permaneça como um martelo na sua cabeça.

Por falar em martelo, a palavra “macete” sugere uma ferramenta para martelar. Eis algumas definições do Dicionário Michaelis: “1 Maço pequeno. 4 Maço de madeira, usado por carpinteiros, marceneiros e mecânicos, para bater em escopros, formões etc. 7 gír Recurso astucioso para se fazer ou obter algo”. Portanto, quando o professor lhe passa um macete, golpeia seu cérebro na vã tentativa de enfiar o conhecimento nele.

Melhor sorte têm os alunos que resistem à tentação de ir direto ao macete. Os que passam antes pelo contexto, fazendo análises e revisões, encontrarão nas siglas ou noutros recursos mnemônicos mais que “macetes”. Encontrarão “ferramentas mentais”. Em vez das marteladas do professor, terão suas próprias ferramentas. E com elas serão capazes de, sem golpear o cérebro, acessar na memória todos os conteúdos contextualizados, analisados e revisados.

Nada contra os macetes. Afinal a diferença entre eles e as ferramentas mentais não está nas habilidades do professor, que apenas dá o instrumento. A diferença está no modo de usar, o que compete ao aluno.


Veja também:

LEIA TAMBÉM
COMENTE

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.