Tempo de lutar e tempo de cantar

0
Comentários
0
likes
0
Coment.
0
likes
nypl.digitalcollections.510d47da-90bf-a3d9-e040-e00a18064a99.001.w

Muitos alunos me perguntam se eu estudo muito. Não, nunca estudei muito. Mais importante que estudar muito é fazê-lo com qualidade. Isso pressupõe objetividade (ater-se ao programa), regularidade (estudar um pouco todos os dias) e ritmo (estudar, revisar, repousar).

Já me perguntaram se eu renuncio às horas de lazer ou a algum relacionamento. Também não. A propósito, a renúncia ao lazer e aos bons relacionamentos humanos prejudica o aprendizado.

Imagine um trabalhador que enfrentou tensões o dia inteiro. Depois de se livrar dos congestionamentos no trânsito, chegou a sua casa e foi direto às apostilas, lendo-as durante três horas. Apesar da determinação, sabe por que ele não terá rendimento nos estudos? Antes de abrir a apostila, deveria espairecer. Poderia ser, por exemplo, uma caminhada, um passeio de bicicleta, bater uma bola (ou um papo) com os amigos; e o mais importante: relacionar-se com quem faz parte de sua estima.

Os estudos somente renderão se, antes, houver um abraço na esposa, uma atenção dispensada ao avô ou uma conversa amistosa com os filhos (ou com os pais). Caso estejam distantes, desfrute da tecnologia para contatá-los por meio da “webcam”. Caso não seja possível relacionar-se com eles, dedique seu tempo a quem lhe seja próximo. Sempre haverá alguém, por mais que você se sinta só.

Somente depois, com o ânimo revigorado, é que se deve abrir o material de estudo e ir à luta. Foi desse modo que, no início da Era Cristã, o poderoso Império Romano tremeu de medo diante de um exército de escravos. É que o líder Spartacus soube aproveitar as pausas entre as batalhas para propiciar um ambiente de descontração, amizade e união entre seus soldados.

No filme estrelado por Kirk Douglas, quando Antonino se apresenta ao comandante dos escravos, o primeiro pensamento foi de dispensá-lo. Afinal, que utilidade teria um antigo escravo da elite romana, que só sabia cantar? Mas logo concluiu que o recém chegado seria útil para manter a tropa coesa. Afinal, “há tempo de lutar e tempo de cantar”. Enfim, há tempo para tudo. O segredo é saber organizá-lo.


Veja também:

LEIA TAMBÉM
COMENTE

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *