Se Exame de Medicina fosse obrigatório, 48% dos formados não poderiam trabalhar

0
Comentários
0
likes
0
Coment.
0
likes
Hospital research lab

O Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo revelou um dado preocupante: 48% dos egressos do curso de Medicina não atingiram nota mínima em exame profissional; contudo, apesar de reprovados, esses médicos podem trabalhar livremente, isso porque a prova não é obrigatória e não existe lei que proíba o bacharel em Medicina de atuar.

Para ser ter uma ideia da gravidade da situação, o resultado da prova do Cremesp atesta que a cada dez médicos recém-formados, cinco não estão suficientemente preparados. Não como negar que esse fato nos deixa em alerta. Acredito que qualquer pessoa se sentiria desconfortável em ser atendido por um médico que está abaixo do padrão mínimo estabelecido.

IMG-20160712-WA0008

Proponho estabelecermos um paralelo com o Exame de Ordem e sua taxa de reprovação que beira os 80%. Ora, se ninguém sente-se à vontade em ser atendido por um médico que não tem conhecimentos mínimos ou que dizer de contratar um advogado na mesma situação? Um advogado que realize um trabalho ruim pode causar sérios danos a vida do seu cliente, assim como um médico inapto.

Não se trata – é importante frisar isso – de dizer que quem não passa em uma prova será um mau profissional ou é alguém menos inteligente que os outros. Há vários fatores envolvidos em uma prova desse tipo: pressão familiar, pressão social, falta de tempo para estudar, muito trabalho,  nervosismo na hora prova e até mesmo erros da banca corretora.

A questão principal é que estabelecer alguma forma de controle sobre quem atua nessas áreas é um meio de dar algumas garantias a sociedade. Por exemplo, o Cremesp também notíciou que 70% dos erros médicos tem haver com deficiências na formação do profissional, além disso o número de denúncias contra médicos jovens aumentou muito nos últimos dez anos, exatamente no mesmo período de expansão das faculdades de Medicina.

Infelizmente, há problemas de formação em diversas faculdades, cursos e professores que ensinam menos do que deveriam. É uma realidade dura e muito triste, ainda mais sabendo de todos os esforços e sacrifícios exigidos na obtenção de um diploma.

Ao longo de toda minha experiência profissional, do papel que cumpro como professor na graduação de Direito e também como professor de cursinho, é que você deixe de gastar energia e preocupação com a obrigatoriedade do Exame. Infelizmente, na forma como está organizada a formação de Direito no Brasil, ele é um mau necessário. Canalize suas forças para buscar a sua formação, eu estarei aqui para ajudar no que for preciso.


Veja também:

LEIA TAMBÉM
COMENTE

Uma resposta para “Se Exame de Medicina fosse obrigatório, 48% dos formados não poderiam trabalhar”

  1. Dina Mileib disse:

    Muito bem eu concordo deve ser feito prova tbm do curso de medicina. Tem muito médico despreparado

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.