IPTU – Conceito de áreas urbanizáveis ou de expansão urbana

0
Comentários
0
likes
0
Coment.
0
likes

Normalmente a doutrina não distingue o conceito de zona urbana e o de expansão urbana, conferindo-lhes o mesmo tratamento jurídico.

Dispõe o § 2º do art. 32 do CTN:

“§ 2º A lei municipal pode considerar urbanas as áreas urbanizáveis, ou de expansão urbana, constantes de loteamentos aprovados pelos órgãos competentes, destinados à habitação, à indústria ou ao comércio, mesmo que localizados fora das zonas definidas nos termos do parágrafo anterior.”

Em artigo anterior verificamos que a presença de dois dos requisitos enumerados no § 1º, do art. 32 do CTN configura zona urbana, com exceção daquela propriedade onde esteja sendo explorada a atividade agrícola, pecuária, agroindustrial ou atividade de exploração extrativa vegetal.

Atualmente, exemplos mais expressivos de zonas de expansão urbana são os loteamentos formando condomínios fechados, para construção de prédios voltados para recreio. Nos últimos anos proliferaram os chamados “sítios de recreio” para passar o final de semana ou férias prolongadas. Esses locais, embora não tenham o mínimo de dois dos elementos referidos no § 1º, do art. 32 do CTN, podem ser considerados como áreas de expansão urbana, para fins de tributação pelo IPTU.

É requisito essencial para firmar a competência impositiva municipal a existência de lei municipal incluindo dentro do perímetro urbano essas áreas de expansão urbana. Somente com a edição de lei municipal nesse sentido cessará a competência tributária da União.


Veja também:

Conheça as obras do autor (Clique aqui!)

LEIA TAMBÉM
COMENTE

Uma resposta para “IPTU – Conceito de áreas urbanizáveis ou de expansão urbana”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.