Café filosófico: “A filosofia na Literatura mundial: representação da modernidade março/2017″

0
notas
0
likes
0
notas
0
likes

Café filosófico no Espaço Cultural Alberico Rodrigues

Tema: “A filosofia na Literatura mundial: representação da modernidade” com o professor José Sacadura

MADAME BOVARY – GUSTAVE FLAUBERT (DIA 11 DE MARÇO/2017)

Uma jovem mulher frustrada com seu casamento. Seu marido é um médico de uma cidadezinha pacata. Paris está logo ali: tão perto e tão longe! Ema e Carlos são infelizes e estão incompletos, mas será que a culpa é deles? Ema procura no adultério a saída para sua infelicidade, mas afinal “encontra no adultério toda a insipidez do lar conjugal”. Rodolfo seria a solução? Mas não dá certo. Ema é mais moderna que os seus amantes. Gastando os recursos da família com sua vida “alternativa”, só restava a Ema uma solução radical. O que se espera de uma jovem mulher casada?

O ALIENISTA – MACHADO DE ASSIS (DIA 18 DE MARÇO/2017)

O Dr. Simão Bacamarte constrói uma clínica para loucos, e com a autorização da cidade de Itaguaí, começa a internar todos os cidadãos que lhe parecem anormais. “A saúde da alma, bradou ele, é a ocupação mais digna do médico”.  A Casa Verde prestava assim a maior contribuição sanitarista para a sociedade, e o sucesso foi tanto que a cidade de Itaguaí decide erguer em sua homenagem uma estátua. Diante de tal fato, o Dr. Simão liberta todos os internos e ele mesmo se interna para sempre na Casa Verde! “Nenhum defeito? Nenhum, disse em coro a assembleia”.

O PERCEVEJO – VLADÍMIR MAIAKÓVSKI (DIA 25 DE MARÇO/2017)

Em 1928 a Revolução já não parece tão promissora aos intelectuais. A cultura soviética está sob o domínio do Estado. A Europa não tarda em mergulhar no fascismo e na Guerra. O futuro é duvidoso. Prissipkin, no dia de seu casamento, fica congelado em um vagão de trem por 50 anos. Quando Prissipkin é ressuscitado, escapa da “cápsula do tempo” um percevejo, que passa a ser alvo de todas as preocupações oficiais. Dois parasitas são expostos: o Percevejus Normalis e o Philistaeus Vulgaris. “Entre os dois o Philistaeus Vulgaris é o mais terrível”, afirma o Diretor do zoológico.

LEIA TAMBÉM
COMENTE