A influência da formação universitária do candidato no concurso da Receita Federal

A influência da formação universitária do candidato no concurso da Receita Federal

0
notas
0
likes
0
notas
0
likes

Bom dia, pessoal! É um prazer imenso poder conversar sobre concursos com vocês, um tema tão importante e que causa muitas dúvidas, principalmente para quem está começando seus estudos ou ainda está decidindo se vale a pena começar. Nesse texto vamos conversar sobre um tema bastante importante: a formação universitária do candidato. O concurso da Receita exige formação de nível superior em qualquer área, o que o diferencia bastante dos concursos da área jurídica e também dos concursos que exigem uma formação específica, como ocorre com algumas agências reguladoras, órgãos anuentes, áreas de TI… Esta característica o torna muito atrativo para uma pessoa que, independentemente da formação, venha a se interessar pelos benefícios da carreira pública e pela atividade de fiscalização. Mesmo assim, muitas pessoas decidem não prestar a prova da Receita argumentando que, ainda que estejam interessadas, acreditam que sua formação é muito diferente do conteúdo exigido pelo edital. Em outras palavras, que cansei de ouvir de candidatos, argumentam que “só passam engenheiros, contadores e bacharéis em Direito”. receita federal

Essa impressão, bastante equivocada, cai por terra quando conhecemos mais a fundo o concurso. Para reforçar esse argumento, podemos analisar o perfil dos aprovados no último concurso – obtida através de uma pesquisa extra-oficial realizada em uma rede social pelos aprovados, que foi posteriormente divulgada em fóruns e da qual eu reproduzo uma pequena parte aqui. Dos 278 candidatos aprovados para Auditor-Fiscal em 2014, 173 responderam a várias perguntas, dentre as quais “Qual é o seu curso de formação”. Foram obtidas nada menos que 28 carreiras diferentes como resposta, sem contar a opção “Outros” (e lembrando que há 105 pessoas fora das estatísticas por não terem respondido). O curso que mais aprovou realmente foi o de Engenharia, com 29 representantes, seguido de Administração com 26, Contabilidade com 22 e Direito com 17. Porém ainda restam quase metade das vagas, divididas entre estudantes das mais diversas áreas, tais como biologia, farmácia, economia, filosofia, ciências militares, fisioterapia, geografia, jornalismo, medicina veterinária, nutrição, odontologia, relações internacionais, cursos de tecnólogo… Não dá nem pra listar todas neste texto!

Uma estatística parecida foi feita entre os aprovados do último concurso de Agente Fiscal de Rendas no estado de São Paulo (chamado comumente de “ICMS-SP” ou “SEFAZ-SP”, nomes que aludem ao principal imposto estadual ou ao órgão ao qual esses servidores estarão lotados). Houve um grau de participação menor, já que apenas 308 pessoas responderam e o edital previa 885 vagas, divididas em Gestão Tributária e TI. Analisando os dados de formação universitária, encontramos aprovados de 22 carreiras diferentes, número que tende a ser maior se considerarmos a abstenção. O grupo formado por engenharia, contabilidade, administração e direito foi responsável por 57% das aprovações, algo muito semelhante aos dados da RFB (54%). E novamente eu ressalto: quase metade das vagas do concurso foi preenchida por carreiras que estudam uma parte muito pequena do conteúdo durante o período universitário. Pessoas que usaram sua habilidade, seu tempo e seu método em prol de um estudo voltado ao edital, pensando especificamente no concurso.

Essa vasta lista de formações dos aprovados, que é bastante interessante para a Receita Federal e para as Secretarias da Fazenda por provê-las de um quadro bastante diversificado de servidores, pode ser explicada quando analisamos o edital do concurso: ele é bastante volumoso e, mais do que isso, amplo. O candidato deve ter o conhecimento de disciplinas de diversas áreas (sendo que algumas delas não constam de nenhum currículo acadêmico) e, no caso da Receita Federal, se o candidato for excepcional em uma delas mas não conhecer bem alguma outra, correrá o risco de ser eliminado ao não obter o mínimo de 40% de acertos em cada matéria.

Se você for um candidato da área de exatas, inicie uma preparação fortemente baseada nas matérias de Direito.

Tudo isso nos leva à seguinte conclusão: a formação do candidato pode constituir uma vantagem inicial, mas tal vantagem não é decisiva quando comparada ao desempenho do candidato nos estudos voltados ao edital. É natural se pensar que um contador terá uma vantagem inicial em Contabilidade, que um bacharel em Direito começará na frente nas matérias jurídicas, que uma pessoa formada em exatas largará com certa vantagem e raciocínio lógico, porém grande parte do conteúdo será estudada “do zero” por todos eles. É a sua preparação específica para o concurso, com um bom material, um bom método e muitas horas de dedicação que será o diferencial para a sua aprovação.

Se você for um candidato da área de exatas, inicie uma preparação fortemente baseada nas matérias de Direito. O tempo ganho por não precisar aprender raciocínio lógico a partir das bases iniciais será considerável, e seu modo de raciocinar deve levá-lo a um bom desempenho no aprendizado de contabilidade também. Se você veio das humanas, há uma tendência que você tenha mais facilidade na compreensão de textos, nas línguas e no estudo do Direito. Nesse caso, sem negligenciar nenhuma dessas matérias, esforce-se para ter uma base boa em Raciocínio Lógico (ao menos para ultrapassar a barreira dos 40% de desempanho exigida pela ESAF) e compreender bem a Contabilidade. Um candidato que venha da área de biológicas é, provavelmente, o que pegará mais matérias a partir do zero, sem uma trajetória acadêmica. Nesse caso, foque seus estudos em duas frentes: uma jurídica, com as várias matérias de Direito, e uma “dos números”, com contabilidade e raciocínio lógico. Obviamente ainda existem as matérias de administração, auditoria, legislações… Mas essas são “neutras”, com um estudo mais semelhante para todos os candidatos.

Em resumo: não tenha receio de prestar o concurso devido à sua formação. Todos os anos temos uma composição de aprovados bastante heterogênea para os concursos da área fiscal. Analise as matérias do edital e veja em quais sua formação pode te dar uma vantagem. Ainda assim revise tais matérias, para se certificar que elas te darão um bom número de pontos. Nas matérias que você desconhece, dedique-se muito mais, com uma preparação sólida e que te leve a entender o conteúdo, não apenas decorá-lo. Com um estudo regrado e bem desenvolvido as chances de aprovação serão grandes, não sendo decisiva sua área de formação universitária.


Veja também:

LEIA TAMBÉM
COMENTE