técnico judiciário administrativo

O Professor Bruno Villar comenta a prova de RLM do TST- Técnico Judiciário Administrativo

0
Comentários
0
likes
0
Coment.
0
likes
técnico judiciário administrativo

O concurso para Técnico Judiciário Administrativo do Tribunal Superior do Trabalho ocorreu agora em novembro e o Professor Bruno Villar, autor da obra Raciocínio Lógico Facilitado comentou todas as questões de raciocínio lógico matemático da prova.

16. O código de um sistema de classificação de processos é composto por três vogais juntas, seguidas por três algarismos. A ordenação começa com o 1º processo, cujo código é AAA000, e termina com o 125.000 processo, cujo código é UUU999, seguindo sempre a ordem alfabética das letras e ordem crescente do número composto pelos três algarismos. Nesse sistema de classificação, o 10.500º processo terá o código:
(A) AEA501.
(B) AIA499.
(C) AIA501.
(D) AIA500.
(E) EAA499.

Resolução:

Cada série de letras vai fornecer mil códigos (10. 10 10.10 = 1000)

AAA- 1000             AAE-1000             AAI- 1000          AAO- 1000       AAU- 1000
AEA-1000              AEE-1000             AEI-1000           AEO- 1000       AEU- 1000

AEU- 10 mil códigos (próximo código é AIA)

Dica: 0 a 499 , temos 500 números( contagem com extremos: 499- 0 + 1)

Código 1050ª = AIA499

Resposta letra B (confere com o gabarito preliminar)

17. Algumas cadeiras novas foram distribuídas por quatro andares de um edifício comercial. O 1º andar recebeu metade do total de cadeiras. O 2º andar recebeu a terça parte do total de cadeiras que o 1º andar recebeu. O 3º andar recebeu dois quintos das cadeiras recebidas pelos dois andares abaixo. Por fim, o 4º andar recebeu as 16 cadeiras restantes. Em tais condições, o total de cadeiras distribuídas para os andares pares foi igual a:
(A) 36.
(B) 60.
(C) 72.
(D) 40.
(E) 56.

Resolução:

1ª andar: ½
2ª andar: 1/3 . ½ = 1/6
3ª andar: 2/5 . 2/3( soma dos andares anteriores) = 4/15
Obs.: Soma dos dois andares: ½ + 1/6 = 2/3
1/2 + 1/6 + 2/3 = 28/30

 

Os três primeiros andares fizeram 28/30 , ou seja, usaram 28 partes de 30. Logo, sobrou
2 partes de 30 ( 30 – 28 = 2 partes de resto)
2 partes = 16 cadeiras
1 parte = 16/2 = 8 cadeiras
Total de partes = 30, logo o total de cadeiras é igual a 30 . 8 = 240.

2ª andar: 1/6 de 240 = 240/ 6 = 40
4ªandar: 16
Resultado = 40 + 16 = 56

Resposta letra E ( confere com o gabarito preliminar)

 

18. Maria, Nair, Olívia e Paula ganharam, juntas, na loteria e decidiram repartir o prêmio proporcionalmente ao valor desembolsado por cada uma no momento da aposta. Nair, que foi a que mais desembolsou dinheiro, deu o triplo do dinheiro dado por Paula, que foi a que menos desembolsou dinheiro. A soma do dinheiro desembolsado por Maria e Olívia foi 3/4 do dinheiro desembolsado por Nair.
Sabendo-se que Paula recebeu R$ 12.000,00 de prêmio, o valor total do prêmio, recebido pelas quatro juntas, foi, em R$, de:

(A) 68.000,00.
(B) 50.000,00.
(C) 75.000,00.
(D) 62.000,00.
(E) 58.000,00.

Resolução:

N=3P

M + O = 3/4 N

Suposição: P = 1, logo N = 3. 1 = 3 e M + N = ¾ . 3 = 9/ 4 =2,25

P = 1 parte , N = 3 partes, M + O = 2,25
1 parte = 12000 (valor recebido por Paula)
Total de partes = 1 + 3 + 2,25 = 6, 25
Valor total = 6,25. 12000 = 75000

Resposta letra C (Confere com o gabarito preliminar)

19. O turno diário de trabalho de uma empresa é das 8h às 17h, de 2ª a 6ª feira, sendo que das 12h às 13h é o horário de almoço, não remunerado. Em determinada época do ano, os trabalhadores fizeram um acordo com a empresa para emendar o feriado de uma 5ª feira com a 6ª feira. O acordo previa que os funcionários estenderiam seu turno diário de trabalho em 15 minutos até completar a reposição das horas de trabalho do dia da emenda. Sabendo-se que o horário estendido teve início em uma 2ª feira, dia 19 de junho, e que não houve outro feriado ou paralização até o último dia da compensação, então, o último dia da compensação foi:
(A) 28 de julho.
(B) 30 de junho.
(C) 31 de julho.
(D) 01 de agosto.
(E) 20 de junho.

Resolução:

O dia de trabalho corresponde a 8 horas de compensação.
Cada dia será compensado 15 minutos, em 4 dias temos 1 hora de compensação. Total de dias para compensar é igual a 32 ( 8 horas . 4 = 32 dias)

 

19 Segunda: — 23 sexta – 5 dias de compensação
26 Segunda —- 30 sexta- 5 dias de compensação (total = 10)
03 Segunda —- sexta 5 dias de compensação (total = 15)
10 Segunda —- sexta 5 dias de compensação (total = 20)
17 Segunda —- sexta 5 dias de compensação (total = 25)

24 Segunda —- sexta 5 dias de compensação (total = 30)
31/07- dia 31
01/08- dia 32

Dica: O mesmo dia da semana tem uma diferença de 7 dias, por isso 03, 10, 17, 24 na segunda.

 

Resposta letra D (confere com o gabarito preliminar)

 

20. Considere como verdadeira a proposição: “Nenhum matemático é não dialético”. Laura enuncia que tal proposição implica, necessariamente, que:
I. se Carlos é matemático, então ele é dialético.
II. se Pedro é dialético, então é matemático.
III. se Luiz não é dialético, então não é matemático.
IV. se Renato não é matemático, então não é dialético.
Das implicações enunciadas por Laura, estão corretas APENAS:
(A) I e III.
(B) I e II.
(C) III e IV.
(D) II e III.
(E) II e IV.

Resolução:

A proposição “Nenhum matemático é não dialético “é equivalente a Todo matemático é dialético (dupla negação)

A proposição “todo matemático é dialético” (dupla negação), tem as seguintes equivalências:
1) Se é matemático então é dialético. (Exemplo I)
2) Se não é dialético então não é matemático. (Exemplo III)

Dica: Se p então q = se não q então não p

Resposta letra A (Confere com o gabarito preliminar)

21. Cássio, Ernesto, Geraldo, Álvaro e Jair são suspeitos de um crime. A polícia sabe que apenas um deles cometeu o crime. No interrogatório, os suspeitos deram as seguintes declarações:
Cássio: Jair é o culpado do crime.
Ernesto: Geraldo é o culpado do crime.
Geraldo: Foi Cássio quem cometeu o crime.
Álvaro: Ernesto não cometeu o crime.
Jair: Eu não cometi o crime.
Sabe-se que o culpado do crime disse a verdade na sua declaração. Dentre os outros quatro suspeitos, exatamente três mentiram na declaração. Sendo assim, o único inocente que declarou a verdade foi:
(A) Cássio.
(B) Ernesto.
(C) Geraldo.
(D) Álvaro.
(E) Jair.

Resolução:

Dica: O culpado e um inocente falaram a verdade.
Vamos supor? 1ª teste: Jair é o culpado

Cássio: Jair é o culpado do crime.(V)

Ernesto: Geraldo é o culpado do crime.(F)

Geraldo: Foi Cássio quem cometeu o crime.(F)

Álvaro: Ernesto não cometeu o crime.(V)

Jair: Eu não cometi o crime.(F) – temos uma contradição, pois o Culpado falou a verdade.

Conclusão: Jair falou a verdade e é inocente.

Resposta letra E (Confere com o gabarito preliminar)

22. O total de P pessoas será distribuído em grupos com o mesmo número de integrantes, e sempre com o número máximo possível de integrantes. Se forem feitos 13 grupos, sobrarão 3 pessoas sem grupo. Se forem feitos grupos com 36 pessoas, obrarão 11 pessoas sem grupo. Sendo P um inteiro maior do que zero, o menor valor possível de P é:
(A) 588.
(B) 443.
(C) 510.
(D) 731.
(E) 263

Resolução:

Equação 1: total = 13.x + 3
Equação 2: Total = 36 y + 11

O processo é pelo método de tentativas e erro.
Dica: O número correto será aquele que dividido por 13 apresentar resto 3 e dividido por 36 apresentar resto 11.

Total = 263 (menor número)
263 : 13 , tem resto 3
263: 36, tem resto 11

Resposta letra E (confere com o gabarito preliminar)


Clique aqui e conheça a obra

LEIA TAMBÉM
COMENTE

Uma resposta para “O Professor Bruno Villar comenta a prova de RLM do TST- Técnico Judiciário Administrativo”

  1. […] O Professor Bruno Villar comenta a prova de RLM do TST- Técnico Judiciário Administrativo […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.