O Exame de Ordem Vai Acabar?

O Exame de Ordem Vai Acabar?

0
Comentários
0
likes
0
Coment.
0
likes
COMENTE

13 respostas para “O Exame de Ordem Vai Acabar?”

  1. Janaina Polito Guimarães Muhaisen disse:

    Boa noite!

    Sou estudante de Direito, estou no 8° período. O único curso q passa por este exame é o curso de Direito. Não entendo ser justo, quando estudamos durante 5 anos.

  2. Bruna disse:

    Boa Tarde!

    Na minha opinião, penso que o exame de ordem deve permanecer sempre. Como exposto pelo professor supra, o acadêmico deve ver a OAB como uma classe defensora dos advogados. Posto isso, o exame de ordem deve ser visto como um degrau que o bacharel necessita galgar, e por derradeiro,compor os quadros da Ordem dos Advogados do Brasil.

    Com cordialidade, Bruna Ramos Vieira- Carlinda/MT.

  3. Marilena disse:

    O texto não é meu, é de um amigo. Mas a respeito do exame, a análise é perfeita. “Primeiro quero me apresentar por aqui: Sou advogado há 25 anos e fui professor de Direito Processual Civil. Na realidade, sou professor de Processo, que abrange a instrumentalização do Direito. Quero aqui ajudar as pessoas a enxergarem juridicamente a complexa ILEGALIDADE que é a OAB. É o seguinte: A OAB é legal, mas é antijurídica e inconstitucional e explico porque: 1. A uma, porque o art. 22 da Constituição, inciso XV, diz que só o Estado pode regular uma profissão, regular não é conferir por lei poder de polícia administrativa à uma entidade privada como a OAB, (O que , inclusive, não pode, pois só a administração pública pode exercer poder de polícia!) ele, Estado, o faria através do MEC (Órgão da administração pública direta), que é o único órgão competente para regular profissões no Brasil e dar competência profissional (Pedagogia – escala das competências) aos cidadãos que, matriculados em uma concessionária de ensino superior (Universidade ou Faculdade) assim pedem-na exercer livremente, amparados também no artigo 5º que diz que é livre o exercício profissional;
    2. A duas, porque já tendo o MEC concedido a competência (Termo técnico de Pedagogia), ninguém mais pode retirá-lo, a não ser ele, o Estado, na figura do MEC, órgão da administração direta. 3. A três, porque uma entidade privada não pode usurpar competência da administração direta do Estado; 4. A quatro, porque não pode cobrar valores pecuniários (Dinheiro) sem justacausa, uma vez que o “serviço” que oferece não tem base jurídica, embora tenha base legal (O estatuto é uma lei inconstitucional e antijurídica) e ninguém é obrigado a aceitar o “serviço”; 5. A cinco, porque só o Estado, o poder concedente, tem autoridade para fiscalizar a sua atividade concedida, que é a profissão que ele Estado concede, e não uma entidade privada; 6. A seis, porque ninguém é obrigado a permanecer associado ou sindicalizado, e a OAB é uma entidade de caráter associativo, com características políticas de sindicato, estrutura muito comum em países socialistas onde o controle social e profissional é importante (Socialismo/comunismo); 7.A sete, porque uma entidade privada que se propala fiscalizadora não pode ter relações com o Poder fiscalizado, o poder judiciário, pois há conflito de interesses quanto ao quinto constitucional; 8. A oito, porque a OAB não é órgão da administração indireta subordinado ao MEC na qualidade de autarquia, pois autarquias só podem ser criadas por lei e assim definidas, submetendo suas contas ao TCU, o que não acontece com a OAB, pois atividades privadas estão fora do alcance do tribunal de contas da União; 9. A nove, porque autarquias não podem exercer atividade política e a OAB a exerce; 10. E a dez, porque a atividade advocatícia é de natureza exclusivamente privada, o cidadão paga para exercê-la, pois pagou a sua Faculdade para cursá-la e submeter-se a exames internos (Provas) e preencheu assim todos os requisitos exigidos pelo Estado (MEC) até sua formatura. Logo, é uma atividade privada adquirida dentro de uma entidade de ensino superior concedido (Pelo Estado, poder concedente) capacitada a exercer, assim que a última competência for conquistada dentro da faculdade for superada, ter o GRAU profissional adquirido concedido pelo Estado. Perceba, caros amigos, que a questão que envolve o cidadão e a OAB é complexa, envolve muito Direito Administrativo e Direito Constitucional. Um abraço. Dr. Joaquim Martins Cutrim.

  4. JOSÉ GILVAR GONZAGA disse:

    O EXANE DA OAB NÃO DEVE ACABAR E DEVE SER APICADO PELA OAB

  5. Wilson Roberto Silva Santos disse:

    Parabéns pelo texto acima.ha muito tempo não via algo esclarecedor e que dá legitimidade ao fim do exame da OAB.

  6. FERREIRA SILVA disse:

    Certissimo o Professor Joaquim Martins Cutrim. Explicadíssimo e de fácil compreensão. Só não entende quem não quer,como a gloriosa Ordem. Já passou da hora da sociedade ter uma resposta e os bacharéis em direito uma solução. Sua Excelência, Sr. Presidente, prometeu durante a campanha eleitoral e falou posteriormente, após eleito.(????). Os milhares de bacharéis aguardam desesperadamente uma resposta…

  7. José Marcos disse:

    Cristalina a explicação do professor. Se antes não havia essa exigência, não vejo justificativa plausível para fazê-la agora. A não ser que todos os advogados que concluíram o curso de direito antes da injusta exigência, sejam de fraco conhecimento jurídico.

  8. José de Oliveira disse:

    a OAB foi extinta em 1991 pelo Dec 11/91 pelo Presidente Collor, portanto ela existe de fato e não de direito acorda senhores bacharéis e senhores advogados, o que a O.A.B faz com suas contribuições e o dinheiro que ela arrecada desse famigerado exame.

  9. José Augusto da Silva Monteiro disse:

    Concordo plenamente com o Professor Joaquim Martins Cutrim muito bem posicionado seu depoimento jurídico parabéns estou contigo que assim seja vamos a luta acreditando sempre no melhor por vim. Forte abraço que Jesus nos abençoe.

  10. ROMEU GONÇALVES DE SOUZA disse:

    NÃO CONCORDO COM ESSE EXAME COMO É FEITO. ESSA PROVA PODERIA SER APENAS UMA FASE, OU SEJA:OU A 1ª OU A 2ª FASE BASTARIA. PODERIA TAMBÉM SER 70 QUESTÕES NA PRIMEIRA FASE. PARA QUE EXISTIR 80 QUESTÕES? QUANDO AGENTE FAZ 70 QUESTÕES JÁ ESTAMOS LITERALMENTE TOMADOS POR TAMANHO CANSAÇO MENTAL. ESSA PROVA É DE RESISTÊNCIA E NÃO SERVE PARA TESTAR CONHECIMENTO JURÍDICO. DE ONDE ALGUÉM TIROU ESSA IDEIA DE QUE PASSAR NA OAB FARÁ DE VOCÊ UM BOM ADVOGADO? BEM COMO DE ONDE SURGIU ESSA IDEIA DE QUE BACHARÉIS NÃO CONSEGUEM ADVOGAR? ISSO É BALELA. QUEM MANTEM A OAB NÃO É A SOCIEDADE RICA, E SIM, OS POBRES QUE FICAM LÁ REPETINDO EXAMES. RICOS ESTUDAM NAS FEDERAIS, LOGO, PASSAM ANTES MESMO DE SE FORMAREM. POBRES FICAM LÁ “AGARRADOS” UMA ETERNIDADE, DANDO DINHEIRO PARA A OAB. QUEM DISSE QUE A OAB NÃO TEM FINALIDADE LUCRATIVA? SERÁ QUE NÃO TEM MESMO?

  11. abner disse:

    Quem não tem condições intelectuais de passar na prova,espera desesperadamente pelo fim do exame.

  12. Renata Recio disse:

    Então pq a prova tem inúmeros erros de correção reprovando vários examinandos, erros esses nunca sanados? a OAB é sim vilão para os examinandos, pôs só visa a reprovação e não a nossa teoria.

  13. Costa disse:

    Corretíssimo o Dr. Joaquim no seu texto. Vou somar com seu texto Dr. eu já fiz essa prova 5x e fui aprovado 3x e infelizmente reprovei na segunda fase. Numa dessas fase reprovei por 5 décimos, recorri mas fui vencido. Depois me perguntei como é que pode a própria pessoa que elabora a prova, que aplica a prova, que corrige a prova e que julga os recursos da prova. Parece uma reserva de mercado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.