As promessas de campanha eleitoral presentes na Lei do Plano Plurianual

As promessas de campanha eleitoral presentes na Lei do Plano Plurianual

0
Comentários
0
likes
0
Coment.
0
likes
As promessas de campanha eleitoral presentes na Lei do Plano Plurianual

Ao longo do segundo semestre do ano passado, assistimos no horário eleitoral por todo o país, em rádio e TV, às campanhas dos candidatos aos governos dos estados e Federal. As suas promessas eleitorais eram de todas as naturezas. Mas, essencialmente, representavam, como sempre, variações sobre o mesmo tema, indo de propostas a cortes nos tributos até ampliação do acesso e oferta à educação e saúde, reforço na segurança pública e ampliação de investimentos em obras de infraestrutura e saneamento, dentre outras.

Mas, a fim de saber se essas promessas serão levadas a cabo para se tornarem realidade, antes de termos que aguardar o fim dos mandatos dos governantes eleitos – e verificar o que foi ou não feito -, podemos buscá-las no documento orçamentário que materializa tais propostas governamentais para o seu mandato, qual seja, a Lei do Plano Plurianual (PPA), e verificar se as mesmas lá estão contempladas.

 

[…] a Lei do Plano Plurianual vige por quatro anos, iniciando do primeiro dia do segundo ano de mandato governamental […]

 

O projeto de lei do PPA, tanto da União como dos 26 Estados e DF, está em gestação neste início de governo, para que seja encaminhado pelo respectivo chefe do Poder Executivo ao Poder Legislativo do ente federativo, em regra, até o dia 31 de agosto. Após o encaminhamento, segue-se a análise, votação e aprovação até o final do primeiro ano do mandato, para poder viger a partir do início do próximo exercício e pelos quatro anos seguintes, até que o próximo governo eleito faça o mesmo.

Ou seja, a Lei do PPA vige por quatro anos, iniciando do primeiro dia do segundo ano de mandato governamental e indo até o último dia do primeiro ano do mandato seguinte. Desta maneira, cria-se um elo entre os planos plurianuais na sequência dos governos, de modo a não interromper abruptamente a condução dos planos estabelecidos, permitindo-se em cada mandato avaliar o que foi feito pelo antecessor e, eventualmente, dar ou não continuidade aos projetos.

Tais prazos revelam uma de suas características fundamentais: a continuidade administrativa das metas e programas. Afinal, interromper certos (bons e necessários) programas pode trazer prejuízos na oferta de bens ou de serviços essenciais à população, sobretudo para as camadas mais necessitadas.

Por isso, o atual momento é crítico para os novos governantes, uma vez que é recomendável – apesar de haver divergências ideológicas ou de propostas políticas, econômicas ou sociais – que haja muito cuidado na avaliação e revisão de programas e políticas públicas na elaboração de um novo PPA.

Podemos dizer que a Lei do Plano Plurianual – lei de natureza formal e conteúdo material – é responsável pelo planejamento estratégico das ações estatais no médio e longo prazo, influenciando e vinculando a elaboração da lei de diretrizes orçamentárias (planejamento operacional) e da lei orçamentária anual (execução).

O seu conteúdo estabelece metas e programas e orienta os gestores dos gastos e na aplicação dos investimentos

Como gênese do modelo da nossa atual Lei do Plano Plurianual, identificamos na Carta de 1967 a sua origem, a partir de uma previsão próxima àquela que temos hoje, ao introduzir no processo orçamentário o denominado OPI – Orçamento Plurianual de Investimentos, de duração trienal, que a ele vinculava as despesas de capital, nos termos de lei complementar (parágrafo único, art. 63, CF/67), bem como as despesas previstas na lei orçamentária anual que ultrapassassem o exercício fiscal.

A sua atual previsão constitucional encontra-se no § 1º do artigo 165 da Constituição Federal de 1988, que expressamente cria a Lei do Plano Plurianual, ao prever que “a lei que instituir o plano plurianual estabelecerá, de forma regionalizada, as diretrizes, objetivos e metas da administração pública federal para as despesas de capital e outras delas decorrentes e para as relativas aos programas de duração continuada”.

Essa citada norma se refere, em primeiro lugar, às despesas de capital, que incluem os investimentos, as inversões financeiras e as transferências de capital. Logo depois, alude aos programas de duração continuada, entendidos como aqueles cujo prazo de duração ultrapasse um exercício financeiro.

 

[…] nenhum investimento cuja execução ultrapasse um exercício financeiro poderá ser iniciado sem prévia inclusão no plano plurianual […]

 

Como se vê, trata-se de uma lei cujo objeto é, essencialmente, a programação global de médio e longo prazo para uma integração nacional, voltada ao desenvolvimento nacional e regional.

A característica do plano plurianual, de ser uma programação de médio e longo prazo, impõe a regra constitucional de que nenhum investimento cuja execução ultrapasse um exercício financeiro poderá ser iniciado sem prévia inclusão no plano plurianual, ou sem lei que autorize a inclusão, sob pena de crime de responsabilidade (§ 1º, art. 167, CF/88).

Em se tratando da União, a Constituição Federal estabelece a articulação da sua ação em um mesmo complexo geoeconômico e social, visando o desenvolvimento e a redução das desigualdades regionais (art. 43, CF/88). A sua compatibilização com o plano plurianual vem prevista no artigo 165, § 7º, ao determinar que “os orçamentos previstos no § 5º, I e II, deste artigo, compatibilizados com o plano plurianual, terão entre suas funções a de reduzir desigualdades inter-regionais, segundo critério populacional”. Outrossim, os planos e programas nacionais, regionais e setoriais serão elaborados em consonância com o plano plurianual (§ 4º, art. 165, CF/88).

Por sua vez, as emendas ao projeto de lei do orçamento anual ou aos projetos que o modifiquem somente podem ser aprovadas caso sejam compatíveis com o plano plurianual (e com a lei de diretrizes orçamentárias), nos termos do § 3º, do art. 166. Da mesma forma, as emendas ao projeto de lei de diretrizes orçamentárias não poderão ser aprovadas quando incompatíveis com o plano plurianual (§ 4º, 166, CF/88).

A Lei nº 4.320/1964 não faz qualquer menção à lei do plano plurianual, uma vez que é anterior à Constituição de 1988 que instituiu a lei do PPA. Todavia, essa nossa “lei geral dos orçamentos” já estabelecia uma programação trienal para receitas e despesas de capital.

Por sua vez, a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) traz um importante dispositivo sobre o controle da despesa pública, qual seja, o artigo 16, o qual prevê que qualquer aumento da despesa deverá, dentre outras condições, ser compatível com o plano plurianual.

Ainda sobre o PPA na LRF, cabe registrar que o seu projeto previa no artigo 3º (vetado) mudanças nos prazos de elaboração e votação do projeto de lei do plano plurianual, assim como possuía um Anexo de Política Fiscal, em que seriam estabelecidos os objetivos e metas plurianuais de política fiscal a serem alcançados durante o período de vigência do plano, demonstrando a compatibilidade com as premissas e objetivos das políticas econômica nacional e de desenvolvimento social.

Todavia, através da Mensagem 627, de 4 de maio de 2000, a Presidência da Repú­blica manifestou o seu veto parcial ao dispositivo, tanto em relação à mudança de prazos de elaboração e votação do projeto de lei do plano plurianual, que eram reduzidos expressamente no caput e no § 2º, como em relação à previsão no § 1º da instituição do Anexo de Política Fiscal. Entendeu-se que a redução de prazos prejudicaria a sua elaboração e votação, e que a supressão do Anexo não ocasionaria prejuízos, considerando-se que a lei de diretrizes orçamentárias já prevê a apresentação de Anexo de Metas Fiscais, contendo, de forma mais precisa, metas para cinco variáveis – receitas, despesas, resultados nominal e primário e dívida pública -, para três anos, especificadas em valores correntes e constantes.

 

 […] em cada novo governo, o PPA espelhará os programas, políticas públicas e metas estabelecidos pelo novo gestor, indicando os caminhos a serem percorridos para o seu atingimento […]

 

Apenas para exemplificar o conteúdo típico de uma Lei de Plano Plurianual em nível federal, enquanto aguardamos o projeto do próximo PPA, citamos o vigente PPA do período de 2016-2019 (Lei nº 13.249/2016), que resultou em 54 programas temáticos, que apontavam os caminhos a serem percorridos pela ação do governo federal até 2019, por meio de seus 303 objetivos, com 1.132 metas e 3.094 iniciativas, de forma articulada com 28 diretrizes estratégicas e 4 eixos estratégicos.

O valor global do PPA, para o conjunto dos 4 anos entre 2016 e 2019, atingiu o montante de R$ 6,89 trilhões, incluindo recursos orçamentários e financiamentos extraorçamentários. Este tinha por prioridades:

  • Metas inscritas no Plano Nacional de Educação;
  • Programa de Aceleração do Crescimento – PAC;
  • Plano Brasil sem Miséria – PBSM.

E como diretrizes:

  • I – O desenvolvimento sustentável orientado pela inclusão social;
  • II – A melhoria contínua da qualidade dos serviços públicos;
  • III – A garantia dos direitos humanos com redução das desigualdades sociais, regionais, étnico-raciais, geracionais e de gênero;
  • IV – O estímulo e a valorização da educação, ciência, tecnologia e inovação e competitividade;
  • V – A participação social como direito do cidadão;
  • VI – A valorização e o respeito à diversidade cultural;
  • VII – O aperfeiçoamento da gestão pública com foco no cidadão, na eficiência do gasto público, na transparência e no enfrentamento à corrupção; e
  • VIII – A garantia do equilíbrio das contas públicas.

Assim, em cada novo governo, o PPA espelhará os programas, políticas públicas e metas estabelecidos pelo novo gestor, indicando os caminhos a serem percorridos para o seu atingimento, tudo com base nas suas ideologias, pretensões e objetivos que pretende realizar durante a sua gestão, conforme os compromissos manifestados e firmados na eleição.

Mas não podemos nos olvidar de que o PPA não é suficiente para produzir efeitos sozinho, pois, ao ser uma lei de programação de governo, dependerá, essencialmente, das leis orçamentárias anuais, as quais deverão concretizar as políticas e programas nele previstas.

É exatamente aqui que encontramos o ponto crucial para o cidadão brasileiro: devemos estar atentos tanto ao projeto de lei do Plano Plurianual, que será em breve encaminhado aos nossos representantes no Legislativo, para exigir a inserção das promessas eleitorais feitas, bem como a sua execução na Lei Orçamentária Anual, ambas que serão apreciadas ao longo do segundo semestre desse ano.

Fonte: Jota

Conheça aqui as obras do autor Marcus Abraham!

LEIA TAMBÉM

LEIA TAMBÉM
COMENTE

Uma resposta para “As promessas de campanha eleitoral presentes na Lei do Plano Plurianual”

  1. MARIO JOSE GALAVOTI disse:

    Como sempre, ótimo artigo.
    Infelizmente, o PPA não é cumprido em 60% do que foi previsto quando de sua aprovação. Isso resulta em ações governamentais ineficientes e mostra que determinados gestores estão preocupados com ações momentâneas e não de planejamento a curto, médio e longo prazo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.