Impostos estaduais – Excesso de arrecadação nos municípios

0
Comentários
0
likes
0
Coment.
0
likes

REVISTA FORENSE – VOLUME 150
NOVEMBRO-DEZEMBRO DE 1953
Semestral
ISSN 0102-8413

FUNDADA EM 1904
PUBLICAÇÃO NACIONAL DE DOUTRINA, JURISPRUDÊNCIA E LEGISLAÇÃO

FUNDADORES
Francisco Mendes Pimentel
Estevão L. de Magalhães Pinto,

Abreviaturas e siglas usadas
Conheça outras obras da Editora Forense

SUMÁRIO REVISTA FORENSE – VOLUME 150

CRÔNICARevista Forense 150

Ortotanásia ou eutanásia por omissão – Nélson Hungria

DOUTRINA

PARECERES

  • Impostos estaduais – Excesso de arrecadação nos municípios – Bilac Pinto
  • Instituto do açúcar e do álcool – Fixação de preços – Intervenção do Estado na ordem econômica – Castro Nunes
  • Governador – Incompatibilidade do mandato com o cargo de ministro de Estado – Osvaldo Trigueiro
  • Testamento – Regras de interpretação – Descendentes e filhos – Fideicomisso – Antão de Morais
  • Locação comercial – Retomada para uso próprio – Notificação – Luís Antônio de Andrade
  • Deputado – Perda de mandato – Licença para tratamento de interesses particulares – Antônio Balbino
  • Requisição de bens e serviços – Tabelamento de preços – Comissão federal de abastecimento e preços – Teotônio Monteiro de Barros Filho

NOTAS E COMENTÁRIOS

  • A inconstitucionalidade do prejulgado trabalhista – Alcides de Mendonça Lima
  • Responsabilidade civil por danos causados por aeronaves estrangeiras a terceiros e bens a superfície Convenção de Roma – Euryalo de Lemos Sobral
  • Sôbre o conceito de Estado – Jônatas Milhomens
  • As autarquias estaduais e as concessões de serviços de energias elétrica – José Martins Rodrigues
  • A filiação adulterina no direito brasileiro e no direito francês – Válter Bruno de Carvalho
  • Recurso ordinário em mandado de segurança – João de Oliveira Filho
  • A habitação como acessório salarial – Carmino Longo
  • Operações bancárias – Francisco da Cunha Ribeiro

BIBLIOGRAFIA

JURISPRUDÊNCIA

LEGISLAÇÃO

LEIA:

Sobre o autor

Bilac Pinto, professor da Fac. Nacional de Direito da Universidade do Brasil.

PARECERES

Impostos estaduais – Excesso de arrecadação nos municípios

– As rendas locais de qualquer natureza, a que se refere o art. 20 da Constituição, são apenas as rendas tributárias arrecadadas pelo Município, dentro do seu território, é as auferidas pela exploração de seus bens e serviços, excluídas as cotas do impôsto de renda e do impôsto único sôbre combustíveis líquidos, bem assim as subvenções o auxílios concedidos pela União.

– Interpretação do art. 20 da Constituição.

CONSULTA

Tendo em vista o art. 20 da Constituição federal, que dispõe:

“Quando a arrecadação estadual de impostos, salvo a do impôsto de exportação, exceder, em cada Município que não seja o da Capital, o total das rendas locais de qualquer natureza, o Estado dar-lhe-á, anualmente, 30% do excesso arrecadado”,

pergunta-se:

Na expressão “o total das rendas locais de qualquer natureza” contida nesse artigo estão ou não compreendidas as cotas que a União deverá, entregar aos Municípios, nos têrmos do art. 15, §§ 2° e 4°, da mesma Constituição, e bem assim as subvenções e auxílios, para fins determinados, que lhes forem concedidos pela União?

PARECER

Os dispositivos dos arts. 15, §§ 2° e 4°, e 20 da Constituição de 1946 têm objetivos coincidentes: visam todos êles fortalecer, por processos diferentes, a finança municipal.

Com efeito, a Constituição, ao estabelecer no seu art. 20 que, quando a receita estadual de impostos exceder, no Município, o total das rendas locais de qualquer natureza, o Estado dará a êste 30% do excesso arrecadado, tem como escopo exclusivo reforçar a receita municipal.

Inspirada nessas mesmas razões, a Constituição determina ainda a entrega aos Municípios das cotas do impôsto de renda e do impôsto único sôbre lubrificantes líquidos.

Se por três maneiras diversas a Constituição procurou suplementar o erário municipal, foi certamente porque considerou que sòmente essas medidas, no seu conjunto, poderiam fornecer os recursos de que carecem os Municípios.

A fixação da mens legis constitui um dado importante para a solução da dúvida suscitada na consulta, por isso que a construção interpretativa das expressões ambíguas, acaso contidas em qualquer dos dispositivos citados, terá que harmonizar-se com o espírito da Constituição, que é essencialmente municipalista.

Pergunta o consulente se na expressão “rendas locais de qualquer natureza” estão ou não compreendidas as cotas do impôsto de renda, e do impôsto único sôbre lubrificantes líquidos e bem assim as subvenções e auxílios para fins determinados que forem concedidos ao Município pela União.

A alternativa formulada na consulta sòmente poderá ser respondida com segurança mediante a verificação dos resultados de uma e outra interpretação. Experimentadas as duas hipóteses, deverá ser preferida aquela que se harmonizar com o espírito da Constituição.

A interpretação que admitir que nas “rendas locais de qualquer natureza” estão compreendidas as cotas do impôsto de renda e do impôsto único sôbre lubrificantes líquidos, bem como os auxílios e subvenções para fins específicos, conduzirá a resultados que nos parecem em conflito aberto com a mens legis.

A primeira conseqüência dessa inteligência será a de excluir do beneficio do art. 20 da Constituição todos os Municípios de pequena renda, que são justamente os mais necessitados dêsse suplemento de receita.

Pelos dados em nosso poder, estimamos que o número dêsses Municípios prejudicados será superior a cinqüenta por cento do total dos Municípios brasileiros. Essa consideração, por si só, nos parece decisiva para rejeitar categòricamente tal solução interpretativa. Com efeito, não se harmoniza com o espírito da Constituição uma interpretação que faz frustrar em grau tão considerável os seus mais inequívocos objetivos.

Concorre ainda para reforçar essa nossa opinião a seguinte ponderação: os dispositivos do art. 20 e do art. 15, §§ 2° e 4°, são harmônicos entre si e reciprocamente complementares, visando, no seu conjunto, a ampliar os recursos dos Municípios; ora, não será possível que, na exegese do art. 20, se utilizem os preceitos do art. 15, §§ 2° e 4°, como restritivos e, na maioria dos casos, como anulatórios do beneficio concedido pelo art. 20.

Essas considerações e as constantes dos pareceres dos Profs. ALIOMAR BALEEIRO e RUBENS GOMES DE SOUSA e do Dr. ULHOA CANTO levam-nos a opinar no sentido de que as “rendas locais de qualquer natureza”, a que se refere o artigo 20 da Constituição, são apenas as rendas tributárias arrecadadas pelo Município, dentro do seu território, e as auferidas pela exploração de seus bens e serviços. Êste é o nosso parecer, s. m. j.

Rio de Janeiro, 11 de setembro de 1953.

LEIA TAMBÉM O PRIMEIRO VOLUME DA REVISTA FORENSE

NORMAS DE SUBMISSÃO DE ARTIGOS

I) Normas técnicas para apresentação do trabalho:

  1. Os originais devem ser digitados em Word (Windows). A fonte deverá ser Times New Roman, corpo 12, espaço 1,5 cm entre linhas, em formato A4, com margens de 2,0 cm;
  2. Os trabalhos podem ser submetidos em português, inglês, francês, italiano e espanhol;
  3. Devem apresentar o título, o resumo e as palavras-chave, obrigatoriamente em português (ou inglês, francês, italiano e espanhol) e inglês, com o objetivo de permitir a divulgação dos trabalhos em indexadores e base de dados estrangeiros;
  4. A folha de rosto do arquivo deve conter o título do trabalho (em português – ou inglês, francês, italiano e espanhol) e os dados do(s) autor(es): nome completo, formação acadêmica, vínculo institucional, telefone e endereço eletrônico;
  5. O(s) nome(s) do(s) autor(es) e sua qualificação devem estar no arquivo do texto, abaixo do título;
  6. As notas de rodapé devem ser colocadas no corpo do texto.

II) Normas Editoriais

Todas as colaborações devem ser enviadas, exclusivamente por meio eletrônico, para o endereço: revista.forense@grupogen.com.br

Os artigos devem ser inéditos (os artigos submetidos não podem ter sido publicados em nenhum outro lugar). Não devem ser submetidos, simultaneamente, a mais do que uma publicação.

Devem ser originais (qualquer trabalho ou palavras provenientes de outros autores ou fontes devem ter sido devidamente acreditados e referenciados).

Serão aceitos artigos em português, inglês, francês, italiano e espanhol.

Os textos serão avaliados previamente pela Comissão Editorial da Revista Forense, que verificará a compatibilidade do conteúdo com a proposta da publicação, bem como a adequação quanto às normas técnicas para a formatação do trabalho. Os artigos que não estiverem de acordo com o regulamento serão devolvidos, com possibilidade de reapresentação nas próximas edições.

Os artigos aprovados na primeira etapa serão apreciados pelos membros da Equipe Editorial da Revista Forense, com sistema de avaliação Double Blind Peer Review, preservando a identidade de autores e avaliadores e garantindo a impessoalidade e o rigor científico necessários para a avaliação de um artigo.

Os membros da Equipe Editorial opinarão pela aceitação, com ou sem ressalvas, ou rejeição do artigo e observarão os seguintes critérios:

  1. adequação à linha editorial;
  2. contribuição do trabalho para o conhecimento científico;
  3. qualidade da abordagem;
  4. qualidade do texto;
  5. qualidade da pesquisa;
  6. consistência dos resultados e conclusões apresentadas no artigo;
  7. caráter inovador do artigo científico apresentado.

Observações gerais:

  1. A Revista Forense se reserva o direito de efetuar, nos originais, alterações de ordem normativa, ortográfica e gramatical, com vistas a manter o padrão culto da língua, respeitando, porém, o estilo dos autores.
  2. Os autores assumem a responsabilidade das informações e dos dados apresentados nos manuscritos.
  3. As opiniões emitidas pelos autores dos artigos são de sua exclusiva responsabilidade.
  4. Uma vez aprovados os artigos, a Revista Forense fica autorizada a proceder à publicação. Para tanto, os autores cedem, a título gratuito e em caráter definitivo, os direitos autorais patrimoniais decorrentes da publicação.
  5. Em caso de negativa de publicação, a Revista Forense enviará uma carta aos autores, explicando os motivos da rejeição.
  6. A Comissão Editorial da Revista Forense não se compromete a devolver as colaborações recebidas.

III) Política de Privacidade

Os nomes e endereços informados nesta revista serão usados exclusivamente para os serviços prestados por esta publicação, não sendo disponibilizados para outras finalidades ou a terceiros.


LEIA TAMBÉM:

LEIA TAMBÉM
COMENTE

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.